Brexit vence: a Europa em xeque

Em um resultado surpreendente, os eleitores britânicos decidiram na madrugada desta sexta-feira deixar a União Europeia. O Brexit venceu com cerca de 52% do total de votos. A decisão causa um terremoto político e econômico não só no Reino Unido, como em toda a Europa.

Para começar, o primeiro ministro britânico, David Cameron, um dos principais apoiadores do referendo e da permanência no bloco europeu, está politicamente morto. Cameron renunciou horas depois do anúncio e deve deixar o cargo oficialmente em outubro. O próximo primeiro ministro é quem deve assinar a saída. Um nome que ganha força entre o eleitorado é o também conservador Boris Johnson, ex-prefeito de Londres e maior defensor da saída. Mas analistas avaliam que Johnson deve ter pouco apoio dos caciques conservadores.

Ao sair de casa nesta sexta-feira, o ex-prefeito recebeu uma tremenda vaia dos londrinos. Em sua cidade, 60% dos eleitores votaram pela permanência. O mapa do resultado mostra um país dividido. Escócia e Irlanda do Norte votaram pela permanência. Líderes pela independência escocesa, que perderam um referendo há apenas dois anos, já se mobilizam para voltar às urnas — desta vez, com mais chances de vitória. Na Irlanda do Norte, onde eleitores também votaram por ficar, cresce o desejo de uma união à Irlanda. Até a pequena Gibraltar, um território britânico no Mediterrâneo, onde a permanência teve 90% dos votos, pode se unir à Espanha.

Em todo o continente, a vitória do Brexit vai reforçar o discurso isolacionista dos líderes de extrema direita. França e Alemanha têm eleições no ano que vem. A líder da extrema direita francesa, Marine Le Pen, já fala em um Frexit, uma votação pela saída da França da União Europeia.

As leis que definem a aliança do Reino Unido com a Europa ocupam 80.000 páginas. Tudo vai precisar ser renegociado nos próximos meses, o que deve levar insegurança econômica para o continente por meses e meses. Cerca de metade das importações e das exportações britânicas são feitas com a Europa. O país não tem acordo comercial isolado com nenhuma nação. Tudo isso está no escuro agora.

Com tanta incerteza, a libra chegou a seu menor valor em 30 anos. Até as 7h de Brasília a bolsa de Londres caía 6,5%; a de Frankfurt, 7,5%; a de Paris, 9,6%. O Banco da Inglaterra já separou 250 bilhões de libras para intervir caso seja preciso. Certamente será.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.