Brasileiros descobrem nova rota de imigração no interior de Portugal

Cidades distantes do litoral criam incentivos para atrair investidores e profissionais. Na região central, brasileiros já são 25% dos estrangeiros

A pandemia de Covid-19 criou nova rota de imigração do Brasil para Portugal: o interior da terrinha. Sem a pressão da especulação imobiliária e escassez de empregos das grandes vagas, cada vez mais brasileiros descobrem a possibilidade de ter amplo espaço para trabalhar e viver com mais qualidade e menos custos no coração de Portugal.

O Globo percorreu alguns desses pequenos oásis despovoados que desenvolvem estratégias econômicas para atrair e manter empreendedores e profissionais em meio a um novo plano do governo português para atacar o crônico problema demográfico do país e ajudar a recuperação da econômica no pós-pandemia.

No município de Castelo Branco, capital do distrito administrativo de mesmo nome onde também ficam Fundão, Idanha-A-Nova e Covilhã, os brasileiros residentes são 25% dos estrangeiros registrados no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF). Passaram de 711 em 2015 para 1,4 mil em 2019, alta 107%, mas o número é maior porque as estatísticas não incluem os que têm cidadania portuguesa ou esperam a expedição dos documentos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.