Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Bombardeio contra região russa deixa dois mortos

Ataque acontece um dia após o Exército da Rússia ter anunciado que impediu uma tentativa de "invasão" ucraniana em Belgorod

Modo escuro

KHERSON, UKRAINE - MAY 15: Rescuers work amid rubble at the site of the Russian shelling on May 15, 2023 in Kherson, Ukraine. Around 4 a.m. on May 15, the Russian military launched a kamikaze drone on Kherson. There was a direct hit to the building of an educational institution, it was destroyed. There have been no casualties or injuries. (Photo by Ihor Pedchenko/Suspilne Ukraine/JSC "UA:PBC"/Global Images Ukraine via Getty Images) (AFP/AFP Photo)

KHERSON, UKRAINE - MAY 15: Rescuers work amid rubble at the site of the Russian shelling on May 15, 2023 in Kherson, Ukraine. Around 4 a.m. on May 15, the Russian military launched a kamikaze drone on Kherson. There was a direct hit to the building of an educational institution, it was destroyed. There have been no casualties or injuries. (Photo by Ihor Pedchenko/Suspilne Ukraine/JSC "UA:PBC"/Global Images Ukraine via Getty Images) (AFP/AFP Photo)

Pelo menos duas pessoas morreram nesta sexta-feira, 2, em um bombardeio contra a região russa de Belgorod, na fronteira com a Ucrânia, depois que Kiev sofreu uma nova onda de ataques pelo sexto dia consecutivo.

Há vários dias, a região de Belgorod, no sudoeste da Rússia, é cenário de incursões e bombardeios com uma intensidade inédita desde o início da ofensiva russa na Ucrânia em fevereiro de 2022.

O governador da região afirmou que as forças ucranianas lançaram projéteis que caíram em uma estrada próxima da cidade de Shebekino, a 10 quilômetros da fronteira com a Ucrânia.

"Os estilhaços atingiram veículos que passavam pelo local. Duas mulheres que estavam em um carro morreram, devido aos ferimentos sofridos", afirmou Vyacheslav Gladkov no Telegram.

Duas pessoas ficaram feridas e estão em condição crítica, acrescentou o governador.

Os ataques acontecem no momento em que Kiev afirma que está finalizando os preparativos para uma contraofensiva. O objetivo é recuperar os territórios ocupados por Moscou, incluindo a península da Crimeia, anexada em 2014.

Deslocados

Os bombardeios desta sexta-feira aconteceram um dia após o Exército russo ter anunciado que impediu, com a ajuda de artilharia e da aviação, uma tentativa de "invasão" ucraniana em Belgorod.

Há uma semana, uma incursão de homens armados nesta região abalou o país. Os ataques foram reivindicados por grupos de voluntários russos pró-Kiev. As autoridades ucranianas negaram, no entanto, qualquer envolvimento.

Parte da população de Shebekino decidiu fugir após a intensificação dos ataques.

De acordo com o governador, mais de 2,5 mil pessoas — das 40 mil que a cidade tinha antes do conflito — foram recebidas em abrigos temporários na região.

Um jornalista da AFP se deslocou nesta sexta-feira até o estádio de Belgorod, transformado em um centro de alojamento temporário para cerca de mil pessoas.

Durante a madrugada, a defesa aérea russa derrubou vários drones perto de Kursk, outra cidade próxima da fronteira, segundo o governador da região, que pediu "calma" à população.

Do outro lado da fronteira, as autoridades russas informaram que três pessoas morreram em ataques ucranianos nas cidades ocupadas de Donetsk e Makiivka, no leste da Ucrânia.

Na Ucrânia, Kiev sofreu durante a madrugada uma nova onda de bombardeios com drones explosivos e mísseis, informou o prefeito da capital, Vitali Klitschko.

Novo bombardeio em Kiev

Lançados pelo sexto dia consecutivo, os bombardeios não causaram vítimas. "O terror sobre Kiev com ataques aéreos continua", criticou o comandante da administração militar da capital, Serguii Popko.

"O inimigo usou 15 mísseis de cruzeiro e 18 drones de ataque iranianos Shahed para bombardeios. Todos foram destruídos pela nossa defesa", afirmou o Exército ucraniano no Facebook.

Poucas horas depois, o Exército russo afirmou que os bombardeios lançados de madrugada contra a Ucrânia atingiram os sistemas de defesa antiaérea e que estes protegiam infraestruturas militares "chave" na ex-república soviética.

A partir do início de maio, a Rússia intensificou os ataques com drones e mísseis contra Kiev, geralmente durante a noite, em uma tática que, segundo o governo da Ucrânia, pretende aterrorizar a população civil.

Pelo menos três pessoas, incluindo uma criança, morreram na quinta-feira em um dos ataques.

O secretário de Estado americano, Antony Blinken, disse nesta sexta-feira que a guerra lançada pelo presidente russo, Vladimir Putin, na Ucrânia foi um "fracasso estratégico" para Moscou.

A guerra "diminui significativamente o poder militar, econômico e diplomático da Rússia, assim como sua influência, nos próximos anos", disse ele em um discurso na Finlândia, novo membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Blinken também rejeitou qualquer cessar-fogo desfavorável a Kiev e insistiu em que a única maneira de alcançar a "verdadeira paz" era continuar a fornecendo armas à Ucrânia.

O presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, defendeu na véspera a adesão do seu país à aliança militar e à União Europeia, durante uma cúpula na Moldávia.

"Declarações desse tipo mostram que o regime de Kiev não está pronto, não quer e não tem meios para resolver os problemas existentes na mesa de negociações", reagiu o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, nesta sexta-feira.

O enviado chinês para a Ucrânia, Li Hui, assegurou que ainda há "muitas dificuldades" que impedem Rússia e Ucrânia de iniciar negociações de paz.

Créditos

Últimas Notícias

ver mais
Sumiço de autoridades na China: o que pode estar por trás dos recentes acontecimentos?
Mundo

Sumiço de autoridades na China: o que pode estar por trás dos recentes acontecimentos?

Há 14 horas
Greve contra montadoras nos EUA cresce e mais 5 mil trabalhadores aderem; Ford é poupada
Mundo

Greve contra montadoras nos EUA cresce e mais 5 mil trabalhadores aderem; Ford é poupada

Há 14 horas
Polônia diz ter sido mal-interpretada sobre suspensão do envio de armas à Ucrânia
Mundo

Polônia diz ter sido mal-interpretada sobre suspensão do envio de armas à Ucrânia

Há 19 horas
Eleições na Argentina: incerteza prevalece em meio a subsídios e "motosserra"
Mundo

Eleições na Argentina: incerteza prevalece em meio a subsídios e "motosserra"

Há 19 horas
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais