Biden conversa com Xi Jinping ante tensão sobre viagem de Pelosi a Taiwan

Porta-voz chinês Zhao Lijian reiterou as advertências da China sobre uma visita a Pelosi
 (Lintao Zhang/Getty Images)
(Lintao Zhang/Getty Images)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 27/07/2022 às 11:22.

Os presidentes dos Estados Unidos, Joe Biden, e da China, Xi Jinping, conversarão por telefone nesta quinta-feira, 28, pela primeira vez em quatro meses, com uma ampla gama de questões bilaterais e internacionais em pauta. Mas uma possível visita a Taiwan da presidente da Câmara dos Representantes americana, Nancy Pelosi, está pairando sobre a conversa, à medida que Pequim alerta para uma resposta severa se ela viajar para a ilha autônoma que Pequim reivindica como seu próprio território.

Nesta quarta-feira, 27, o Ministério das Relações Exteriores da China se recusou a comentar o telefonema presidencial. No entanto, o porta-voz Zhao Lijian reiterou as advertências da China sobre uma visita a Pelosi. "Se os EUA insistirem em seguir seu próprio caminho e desafiar os resultados da China, certamente serão recebidos com respostas vigorosas", disse Zhao a repórteres em uma coletiva de imprensa diária.

Quer saber tudo sobre a política internacional? Assine a EXAME e fique por dentro.

O gabinete de Pelosi ainda não disse quando, ou mesmo se, ela prosseguirá com a visita, mas o momento é especialmente sensível em meio ao aumento das tensões entre Pequim e Washington sobre comércio, direitos humanos e Taiwan.

Juntamente com Taiwan, o programa nuclear da Coreia do Norte, os laços estreitos de Pequim com a Rússia, os esforços de Biden para reviver o acordo nuclear com o Irã e o status da revisão do governo dos EUA das duras tarifas impostas à China pelo governo do ex-presidente Donald Trump provavelmente aparecerão nas discussões entre os dois líderes.

Taiwan foi um tópico central durante a última ligação de Biden e Xi em março, cerca de três semanas depois que a Rússia lançou sua invasão da Ucrânia. A China se recusou a criticar a ação da Rússia, culpa os EUA aliados por provocarem Moscou e criticou as sanções punitivas impostas ao Kremlin.