Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Bachelet deve ser a nova alta comissária para direitos humanos da ONU

Se confirmada como chefe, ela substituirá Zeid Ra'ad Al-Hussein, diplomata jordaniano cujo mandato termina em 31 de agosto

Modo escuro

Bachelet foi pioneira em direitos humanos e direitos das mulheres. Ela foi a primeira mulher presidente do Chile, de 2006 a 2010 (Jorge Silva/Reuters)

Bachelet foi pioneira em direitos humanos e direitos das mulheres. Ela foi a primeira mulher presidente do Chile, de 2006 a 2010 (Jorge Silva/Reuters)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 8 de agosto de 2018 às, 19h08.

Nova York - O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Antonio Guterres, escolheu a ex-presidente do Chile Michelle Bachelet para ser a próxima chefe de direitos humanos na organização, um posto de alto nível e, muitas vezes, controverso, disseram diplomatas nesta quarta-feira, 8, na condição de anonimato já que não foi feito um anúncio oficial.

O nome que ocupará o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos deve ser confirmado pela Assembleia-Geral. O porta-voz da organização, Farhan Haq, disse que não pode confirmar a seleção de Bachelet, mas afirmou que "o processo está chegando ao fim" e espera que "um nome seja enviado em breve" para a assembleia.

Bachelet foi pioneira em direitos humanos e direitos das mulheres. Ela foi a primeira mulher presidente do Chile, de 2006 a 2010. Depois disso, foi escolhida pelo ex-secretário geral Ban Ki-moon para ser a primeira chefe da ONU Mulheres, criada em 2010 e fruto da combinação de quatro órgãos que lidam com igualdade de gênero e avanço das mulheres. Em 2013, ela retornou ao Chile para concorrer à presidência novamente e foi eleita para seu segundo mandato, de 2014 a 2018.

Se confirmada como chefe de Direitos Humanos, nomeação dada como praticamente certa, ela substituirá Zeid Ra'ad Al-Hussein, diplomata jordaniano e membro da família real da Jordânia, cujo mandato termina em 31 de agosto.

Em entrevista na semana passada, Zeid reiterou sua crítica aos abusos em diversos países, desde Mianmar e Hungria até Estados Unidos e Síria, insistindo que o Alto Comissariado "não envergonha os governos, eles (governos) se envergonham".

Em seu trabalho como alto comissário da ONU, Zeid disse que "silêncio não confere respeito" a ninguém e afirmou que dará a seu sucessor o mesmo conselho que recebeu de seu antecessor, Navi Pillay. "Seja justo e não discrimine nenhum país."

Bachelet, uma mãe solteira socialista que foi presa durante a ditadura de Augusto Pinochet, tornou-se pediatra e política. "Se escolhida, Bachelet assumirá um dos trabalhos mais difíceis do mundo em um momento em que os direitos humanos estão sob ataque generalizado", disse o diretor-executivo da Human Rights Watch, Kenneth Roth. "Como uma vítima, ela traz uma perspectiva única ao papel sobre a importância de uma defesa vigorosa dos direitos humanos", afirmou Roth. "Pessoas por todo o mundo vão depender dela", acrescentou o especialista.

Últimas Notícias

ver mais
Zelensky busca apoio na Casa Branca em meio a dificuldades no front e tensão com aliados
Mundo

Zelensky busca apoio na Casa Branca em meio a dificuldades no front e tensão com aliados

Há 4 horas
Estados Unidos iniciam testes de nova vacina experimental contra HIV em humanos
Mundo

Estados Unidos iniciam testes de nova vacina experimental contra HIV em humanos

Há 4 horas
Após encontro de Lula com Zelensky, chanceler brasileiro se reúne com ministro russo em NY
Mundo

Após encontro de Lula com Zelensky, chanceler brasileiro se reúne com ministro russo em NY

Há 6 horas
Inundações deixaram mais de 43.000 deslocados na Líbia
Mundo

Inundações deixaram mais de 43.000 deslocados na Líbia

Há 6 horas
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais