Após Furacão Dorian, governo de Bahamas quer lei de evacuação obrigatória

O furacão Dorian, de categoria 5, provocou uma morte em Bahamas e segue com força para a costa dos Estados Unidos

San Juan — O governo das Bahamas deve promover uma nova legislação sobre evacuação obrigatória para evitar situações como as vividas durante a passagem do furacão Dorian, que arrasa com o arquipélago nesta segunda-feira, após centenas de pessoas nas Ilhas Ábaco se negarem a deixar suas casas.

De acordo com a emissora “Eyewitness News” e o portal “Bahamas Press”, Lachino McIntosh, um menino de sete anos, morreu afogado devido ao forte aumento do nível do mar nas Ilhas Ábaco pela passagem do furacão. 

O primeiro-ministro das Bahamas, Hubert Minnis, declarou que, quando a vida voltar à normalidade e o Parlamento retomar as atividades, será promovida uma nova legislação.

“Pedi duas vezes aos bahamenses para que abandonassem os cayos (ilhas rasas) e fossem à zona central”, disse Minnis. Apesar das solicitações, centenas de pessoas permaneceram em áreas muito vulneráveis.

Minnis ressaltou que, apesar da gravidade da situação, muitas pessoas se negaram deixar as casas, situação que não pretende deixar que aconteça novamente.

“Infelizmente, não temos legislação vigente para evacuações obrigatórias, mas, enquanto falo, posso garantir a todos os bahamenses que, quando o Parlamento voltar, introduziremos uma legislação para evacuações obrigatórias”, afirmou.

Esta não é a primeira vez que Minnis expressou a necessidade de uma legislação sobre o assunto. Há dois anos, depois do furacão Irma, Minnis prometeu promover uma lei sobre o mesmo tema.

O furacão Dorian, de categoria 5, a máxima na escala Saffir-Simpson, segue avançando a 1,6 km/h por Grand Bahama, no noroeste do arquipélago das Bahamas, onde causou a morte de um menino de sete anos.