A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Aliança árabe admite que usou bombas de fragmentação no Iêmen

A nota, em resposta a um comunicado da Anistia, detalhou que uma investigação realizada pela coalizão confirmou o uso de bombas de fragmentação

Riad - A coalizão árabe, liderada pela Arábia Saudita, disse nesta segunda-feira em comunicado que suas forças usaram bombas de fragmentação na região de Al-Khadra, ao noroeste do Iêmen, "de forma limitada".

A nota, em resposta a um comunicado da Anistia Internacional (AI) que acusou a aliança de usar este tipo de armamento, detalhou que uma investigação realizada pela coalizão confirmou o uso de bombas de fragmentação fabricadas no Reino Unido, do modelo BL-755, contra "alvos militares" dos rebeldes no Iêmen.

A aliança acrescentou que o uso dessas armas é "para proteger a fronteira da Arábia Saudita" e que "não foram utilizadas contra zonas habitadas por civis".

Além disso, a coalizão destacou que seus países não são membros da convenção sobre Munições Cluster de 2008 e que "o uso deste tipo de munição não é contra lei internacional", segundo a nota.

A aliança informou que a Arábia Saudita decidiu deixar de usar essas munições e comunicou ao Reino Unido sua decisão.

No último dia 29 de junho, a Anistia Internacional e a Human Rights Watch (HRW) denunciaram bombardeios deliberados a hospitais e o uso de bombas de fragmentação pela aliança árabe no Iêmen.

As duas ONGs também apontaram a responsabilidade dos Estados Unidos e do Reino Unido por fornecer armas e apoio à Arábia Saudita na guerra.

No dia 12 de dezembro, o Unicef pediu o fim das hostilidades após advertir que cerca de 2,2 milhões crianças sofrem desnutrição grave e precisam de atendimento urgente.

Em março de 2015, a coalizão árabe começou uma intervenção no Iêmen em apoio ao presidente Abdo Rabbo Mansour Hadi contra os rebeldes houthis, o que intensificou o conflito no país.

Desde então, morreram cerca de sete mil pessoas e três milhões foram obrigadas a deixar suas casas, segundo dados da ONU.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também