• BVSP 120.061,99 pts -0,7%
  • USD R$ 5,5692 +0,0000
  • EUR R$ 6,7003 -0,0014
  • ABEV3 R$ 15,7 -0,19%
  • BBAS3 R$ 30,12 +1,69%
  • BBDC4 R$ 23,26 -1,52%
  • BRFS3 R$ 23,9 +0,13%
  • BRKM3 R$ 51,9 -1,69%
  • BRML3 R$ 9,82 +0,00%
  • BTOW3 R$ 65,89 -2,53%
  • CSAN3 R$ 92,46 +2,80%
  • ELET3 R$ 35,4 +1,03%
  • EMBR3 R$ 15,08 -2,27%
  • Petróleo US$ 65,32 -1,49%
  • Ouro US$ 1.793,30 +0,79%
  • Prata US$ 26,58 +2,72%
  • Platina US$ 1.216,60 +2,28%

Desemprego e queda da renda são principais razões de inadimplência

Levantamento do SPC Brasil e da CNDL perguntou aos consumidores endividados por quais motivos atrasaram o pagamento de suas contas

As dificuldades encontradas no mercado de trabalho estão entre as principais razões para a inadimplência do brasileiro, de acordo com pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

Segundo o levantamento, a perda do emprego foi a razão mais apontada por aqueles que têm algum pagamento atrasado, com 30,2% das menções. É seguida pela diminuição na renda, mencionada por 29% dos entrevistados.

Emprestar o nome para outros realizarem compras ou empréstimos foi a terceira fonte de inadimplência mais citada, com 14% das menções, enquanto falta de controle e de planejamento do orçamento vem na sequência, indicada por 13% dos entrevistados. Para 10,5% dos pesquisados, o atraso nas contas aconteceu porque seu salário atrasou ou não foi pago.

Os efeitos do alto desemprego no país, entretanto, não são iguais entre os diferentes níveis de renda. A perda do trabalho está na origem da inadimplência para 31,5% daqueles que pertencem às classes C, D e E, enquanto que, nas classes A e B, essa razão foi mencionada por apenas 8,6% daqueles com alguma dívida em atraso.

A pesquisa ouviu 600 consumidores com contas em atraso há mais de três meses, nas 27 capitais do país.

Mais endividados tentam melhorar o comportamento

Entre aqueles que se endividaram por falta de controle nas finanças ou por compras feitas por impulso, ainda é alto o número dos que não tentam ou não pensam em mudar o comportamento para evitar novas dívidas no futuro. Essa situação, entretanto, vem mudando.

Em 2018, 58% dessas pessoas afirmavam que não planejavam ou não achavam que precisavam mudar algo em sua atitude. Em 2019, essa proporção caiu para 47%, enquanto 53%, agora, dizem estar repensando o comportamento.

Entre os que buscaram algum tipo de ajuda, 62,5% recorreram a amigos ou parentes para organizar as contas, e 18,8% buscaram a orientação de algum profissional, como de um consultor financeiro, do banco ou de outras instituições.

 

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.