Bolsas nos EUA voltam a subir e ignoram correção. Entenda as razões

S&P 500 sobe 3% e Nasdaq avança 4,5% na primeira quinzena do mês guiados por notícias sobre vacina, a despeito de proximidade das eleições

Os principais índices de ações dos Estados Unidos avançaram na semana que passou — e acumulam alta em outubro — à medida que fica mais claro o cronograma para o desenvolvimento de uma vacina contra o novo coronavírus.

Além disso, dados melhores que o esperado da economia americana, como as vendas no varejo em setembro, trouxeram os compradores de volta aos mercados acionários. O crescimento de 1,9% ficou muito acima da projeção de média de 0,7% do mercado.

Por fim, cresce a expectativa entre investidores e analistas de que, ainda que um novo pacote de estímulo não seja aprovado antes das eleições presidenciais em novembro, algo deve ser anunciado até o início de 2021, independentemente do vencedor.

O S&P 500 acumula ganhos de 3,6% nas duas primeiras semanas de outubro, apesar dos alertas de alguns analistas sobre uma forte correção que estaria a caminho e de turbulências no mês que antecede as eleições presidenciais americanas. Na semana, a alta foi de 0,2%.

O índice Dow Jones subiu 3% neste mês. Na semana que passou, o índice terminou em alta de 0,1% na semana, apesar de uma sequência de três pregões de queda de terça a quinta por causa da interrupção em testes com dois laboratórios com potenciais vacinas.

Até a Nasdaq, a bolsa que reúne as ações das gigantes de tecnologia que estariam com preços sobrevalorizados, segundo os mesmos analistas, está com um desempenho positivo no mês: a valorização chega a 4,5%.

Na semana que passou, a Pfizer anunciou que poderá solicitar já em novembro uma autorização nos Estados Unidos para a vacina contra a covid-19 que está desenvolvendo com a parceira alemã BioNTech. Os papéis da Pfizer avançaram 3,8% na sexta-feira, 16.

“Os dois motores do mercado de mais alto nível são o cronograma da vacina e o otimismo quanto a um estímulo do governo americano”, disse Ross Mayfield, estrategista de investimentos da Baird em Louisville, Kentucky.

As vendas no varejo nos EUA em setembro ultrapassaram as expectativas dos analistas, enquanto o sentimento do consumidor para o mês atual surpreendeu positivamente, de acordo com dois relatórios econômicos separados.

Sob o âmbito do estímulo fiscal, o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, disse à presidente da Câmara dos Deputados do país, Nancy Pelosi, que o presidente Donald Trump “interviria” com o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, se um acordo fosse alcançado em torno de um novo pacote de alívio da pandemia.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.