Ovo de chocolate com QR Code? A aposta da Kopenhagen para a Páscoa em 2021

Empresa criou plataforma para que clientes possam enviar vídeos usando QR Code; código chega aos presenteados junto com o chocolate adquirido

Na Páscoa, o ovo de chocolate é parte de uma tradição que envolve reunir a família em muitos lares brasileiros. Mas, em tempos de distanciamento social, como garantir a proximidade nessa data? Para a Kopenhagen, a tecnologia pode ajudar a superar a distância física. A empresa lançou uma plataforma em que clientes podem gravar uma mensagem em vídeo para quem desejam presentear com o chocolate. Na hora de entregar o pedido, um QR Code será gerado e enviado para que a pessoa possa ver a mensagem em vídeo junto com o ovo de chocolate.

Quem não é cliente também pode gravar o vídeo dentro do site, de graça -- a diferença é que o link para acessar o conteúdo será enviado via SMS.

    “Temos como propósito vender muito mais do que chocolate e sim gerar conexões emocionais. A Kopenhagen sempre esteve presente na páscoa da família brasileira e nos desafiamos a pensar como transpor o limite do contato físico, mais uma vez", afirma Renata Moraes, CEO do Grupo CRM, dono das marcas Kopenhagen e Chocolates Brasil Cacau.

    A criação da campanha passa pelos aprendizados obtidos em 2020. Surpreendida pelas restrições sociais no último ano, a marca teve de investir no digital e se adaptar rápido para continuar vendendo. Deu certo. No último ano, os resultados atingiram níveis recorde, com o giro da campanha em 96,7% (do total adquirido pelos franqueados para a Páscoa, 96,7% foi vendido). Neste ano, a meta é crescer 18,5% em cima disso.

    Para garantir que tudo aconteça como o esperado, o grupo investiu em peso nas plataformas digitais -- especialmente no e-commerce.

    "Criamos o primeiro e-commerce omnichannel de chocolates no Brasil. Hoje, se você compra pelo site da Kopenhagen, será atendido pela loja mais próxima de onde você estiver -- e, se estiver distante das mais de 130 lojas, será atendido pelo nosso centro de distribuição. Hoje, 55% das vendas saem das lojas dos franqueados e 45% do centro de distribuição. Além disso, evoluímos muito no nosso relacionamento com aplicativos de entrega e no nosso sistema de personal shopper", diz Renata.

    Em números, a empresa investiu cerca de R$ 5 milhões desde o início da pandemia para modernizar as operações digitais.

    Entre os itens mais vendidos, a maior parte dos clientes busca pelo tradicional (chamado dentro da empresa de "Clássicos"). Depois deles, vem a linha "exagero", com o dobro de recheio dos ovos tradicionais. Diante do sucesso destes últimos com o público, a executiva explica que a empresa trouxe uma nova categoria para 2021, chamada "Repleto", com ovos para comer de colher -- e três camadas de recheio.

    "Hoje, 15% do nosso faturamento vem de inovação. Somos uma 'senhora startup' de 90 anos. Temos um olhar atento para trazer coisas novas e continuar próximo dos brasileiros", afirma a executiva.

    Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


    Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


    Falta pouco para você liberar seu acesso.

    exame digital

    R$ 12,90/mês
    • Acesse onde e quando quiser.

    • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
    Assine

    exame digital + impressa

    R$ 29,90/mês
    • Acesse onde e quando quiser

    • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

    • Edição impressa mensal.

    • Frete grátis
    Assine

    Já é assinante? Entre aqui.