• AALR3 R$ 19,70 -0.25
  • AAPL34 R$ 73,76 0.27
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,74 0.34
  • AERI3 R$ 3,94 -10.05
  • AESB3 R$ 10,82 0.84
  • AGRO3 R$ 31,64 0.09
  • ALPA4 R$ 21,47 -1.01
  • ALSO3 R$ 20,22 1.76
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,48 4.20
  • AMBP3 R$ 30,37 2.50
  • AMER3 R$ 23,07 -2.49
  • AMZO34 R$ 72,52 1.38
  • ANIM3 R$ 5,71 2.88
  • ARZZ3 R$ 82,44 -0.40
  • ASAI3 R$ 15,89 3.38
  • AZUL4 R$ 22,11 4.00
  • B3SA3 R$ 11,92 2.32
  • BBAS3 R$ 36,41 2.80
  • AALR3 R$ 19,70 -0.25
  • AAPL34 R$ 73,76 0.27
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,74 0.34
  • AERI3 R$ 3,94 -10.05
  • AESB3 R$ 10,82 0.84
  • AGRO3 R$ 31,64 0.09
  • ALPA4 R$ 21,47 -1.01
  • ALSO3 R$ 20,22 1.76
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,48 4.20
  • AMBP3 R$ 30,37 2.50
  • AMER3 R$ 23,07 -2.49
  • AMZO34 R$ 72,52 1.38
  • ANIM3 R$ 5,71 2.88
  • ARZZ3 R$ 82,44 -0.40
  • ASAI3 R$ 15,89 3.38
  • AZUL4 R$ 22,11 4.00
  • B3SA3 R$ 11,92 2.32
  • BBAS3 R$ 36,41 2.80
Abra sua conta no BTG

Mercado de luxo deve alcançar crescimento de 33% em 2011

No último ano, setor faturou R$ 15,7 bilhões, beneficiado pelo boom da economia nacional
São Paulo: cidade é a mais importante para o mercado de luxo no Brasil (Stock.xchng)
São Paulo: cidade é a mais importante para o mercado de luxo no Brasil (Stock.xchng)
Por Keila GuimarãesPublicado em 26/05/2011 17:48 | Última atualização em 26/05/2011 17:48Tempo de Leitura: 2 min de leitura

São Paulo - O segmento de luxo no Brasil vem obtendo resultados positivos desde 2006. Nos últimos cinco anos, o setor cresceu 60%, impulsionado pelo aumento da massa economicamente ativa no mercado doméstico e por um novo olhar que empresas estrangeiras lançaram sobre o País.

Em 2010, o faturamento do setor em reais subiu 28% comparado com 2009 e alcançou R$ 15,7 bilhões. Para 2011, a previsão é que chegue a R$ 20 bilhões, um crescimento de 33%.

Os dados fazem parte da pesquisa "O Mercado de luxo no Brasil", apresentada pela consultoria GFK nesta quinta-feira (26), durante a terceira edição do Atualuxo, evento dedicado a discutir estratégias para o setor. A pesquisa, em sua quarta edição, foi realizada entre abril e maio deste ano com 79 das 230 empresas do segmento presentes hoje no País.

Além do crescimento significativo, o estudo mostra um deslocamento na atuação das empresas. São Paulo continua sendo a cidade mais importante para o setor, seguida de Rio de Janeiro e Brasília. Mas municípios como Curitiba, Porto Alegre e Belo Horizonte já aparecem como destinos interessantes. Em 2009, apenas 8% dos executivos citavam Curitiba como mercado promissor. Já em 2010, esse número mais que dobrou, saltando para 22%.

Quanto aos obstáculos que emperram maior crescimento das empresas, a carga tributária foi citada de modo unânime por executivos e palestrantes.

No último ano, 67% das empresas queixaram-se da alta tributação brasileira. Fora ela, a dificuldade em encontrar mão de obra qualificada também está no topo dos empecilhos citados pelo setor.