Anúncios no Google: efetivos ou ignorados?

Pesquisa mostra como usuários interagem com as diferentes ferramentas do buscador e aponta tendência de uso das buscas para fins comerciais

Google Shopping: ferramenta é a mais utilizada por usuários no Brasil

Google Shopping: ferramenta é a mais utilizada por usuários no Brasil (iStock/Getty Images)

Ao fazer uma busca no Google, o topo da página mostra alguns resultados marcados como anúncio. Você os considera ou ignora e vai direto para os primeiros resultados organicamente ranqueados? Se você ignora – ou clica de vez em quando – está com a maioria.

Segundo uma pesquisa encomendada pela agência Hedgehog Digital, feita em parceria com a Opinion Box e obtida com exclusividade pela EXAME, 43% dos usuários do buscador ignoram os anúncios, e o mesmo percentual afirma interagir com o anúncio às vezes. Apenas 10% dos respondentes afirmam usar os anúncios com frequência.

O comportamento pode ter alguma relação com a idade do público. Segundo o estudo, anúncios ganham mais atenção de usuários com mais de 50 anos, enquanto 36% do público que tem entre 16 e 29 anos costumam pular a publicidade para começar a analisar os resultados.

A cobiçada primeira página

Se os anúncios são ignorados, os resultados que aparecem em páginas muito distantes na pesquisa também caem no ostracismo. Mesmo a primeira página tem poucos adeptos: apenas 61% dos respondentes do estudo afirmam vê-la até o fim.

A porcentagem cai para 21% entre os que vencem a primeira página e resolvem analisar os resultados da segunda. Da terceira em diante, apenas 12% dos usuários continuam a consulta.

“Vencer a competição e estar presente na primeira página do Google se revela cada vez mais importante”, diz Felipe Bazon, diretor de pesquisas da Hedgehog Digital no Brasil. “Entender o comportamento de busca do usuário e o que isso significa para o mercado são as melhores formas de posicionar uma marca no buscador.”

Intenções de busca

O estudo também aponta as razões que mais têm levado usuários a fazer buscas no Google, mostrando que, durante a pandemia, há uma tendência de intensificação do uso comercial do buscador. Descobrir e comparar preços de mercadorias é a ação mais mencionada, superando 70% dos usuários.

Em segundo lugar, com porcentagem semelhante, está a ação de buscar informações sobre os produtos. Buscas sobre assuntos diversos estão na terceira posição.

A tendência se confirma na análise dos filtros utilizados: a ferramenta Google Shopping é a mais acionada entre usuários brasileiros.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.