Com mais incentivos, ações de construtoras que atuam na baixa renda são as mais recomendadas

Papéis da MRV, Cury, Direcional e Plano &Plano são indicadas por casas como Credit Suisse, Itaú BBA e Àgora
Sede da MRV: diversificada, construtora é a top pick do Credit Suisse, Itaú BBA e Àgora Investimentos (MRV/Divulgação)
Sede da MRV: diversificada, construtora é a top pick do Credit Suisse, Itaú BBA e Àgora Investimentos (MRV/Divulgação)
Marília Almeida
Marília AlmeidaPublicado em 23/09/2022 às 06:00.

Para quem já investe ou pensa em investir em ações, este pode ser o momento para voltar o olhar para o setor de construção. Em um ano eleitoral, como o setor é um conhecido motor para o PIB e o emprego, o governo federal ampliou os incentivos do programa de habitação Casa Verde e Amarela, e colocou as empresas que atuam no segmento econômico no centro das recomendações de instituições financeiras.

Antes disso, a inflação e os juros altos, que fizeram os brasileiros perderem renda, vinham pressionando as ações de empresas como MRV, Direcional e Plano & Plano para baixo. Agora, o papel da MRV, que atua majoritariamente na baixa renda, é a maior recomendação no segmento de casas como Itaú BBA, Credit Suisse e a corretora Àgora.

O governo anunciou que o financiamento do Casa Verde e Amarela será alongado de 30 para 35 anos. a Com a mudança, a Caixa estima que a parcela do financiamento possa diminuir 7,5%. Isso faz com que muitas pessoas que estavam sem conseguir o financiamento porque a taxa de juros subiu consigam acessá-lo novamente. Além disso, a Caixa expandiu a faixa de renda do programa de incentivos federal para famílias com renda de até R$ 8 mil. Isso pode aumentar o público que se enquadra no programa em 7%.

Quer começar a investir? Abra sua conta gratuitamente no BTG Pactual

Diante desse cenário, analistas do Itaú BBA listaram motivos para ter construtoras de baixa renda na carteira de investimentos. Um deles é o cenário de oferta limitada e alta demanda, que pode levar a reajustes de preço. Esse movimento, em conjunto com o arrefecimento da inflação, permite que as empresas melhorem suas margens financeiras. Os analistas também citam que os papéis estão com preços descontados, e recomendam a compra de papéis da MRV, Cury, Direcional e Plano & Plano.

Recomendações do Itaú BBA
Construtoras Preço-alvo dezembro 2022
MRV R$ 15
Cury R$ 15
Direcional R$ 20
Plano & Plano R$ 5

Os analistas também citam que o momento político é ideal para aplicar nesses papéis. Enquanto do lado do atual governo já foram feitas melhorias que beneficiam o setor, do lado da oposição há um histórico de foco em subsídios voltados para o público-alvo desses empreendimentos.

A consequência é que as ações dessas construtoras vêm se valorizando acima do Ibovespa, o índice de referência da B3. Segundo os analistas do Credit Suisse, no mês passado as ações do setor que fazem parte da cobertura do banco de investimentos ficaram 5% acima do índice de ações. Os analistas apontam que o segmento de baixa renda deve ser mais estável e resiliente agora do que o de média e alta renda.

Mas nem todos os nomes no segmento são indicados para investir. É o caso da Tenda (TEND3), no qual a Àgora não recomenda compra e nem venda. Ou seja, está neutra. Na visão dos analistas da corretora, a construtora ainda passa por um momento delicado de renegociação de sua dívida com credores. Ainda que o papel tenha valorizado muito nos últimos tempos, vale lembrar que apanhou mais do que o de seus pares. Nos últimos trinta dias as ações valorizaram 23,38%, mas caem 52,97% no acumulado do ano. Atualmente, custam R$ 7,44.

Veja abaixo as justificativas para as recomendações de cada papel:

MRV (MRVE3)

A MRV valorizou 31,21% nos últimos 30 dias, e custa R$ 12,93. José Cataldo, analista da Àgora, aponta que além da empresa se beneficiar do novos incentivos do Casa Verde Amarela, chama a atenção a operação diversificada do grupo, especialmente nos Estados Unidos.

DIRECIONAL (DIRR3)

Já a Direcional vem conseguindo manter margens saudáveis nos últimos trimestres, mesmo quando o cenário era mais desafiador. Também vem se beneficiando de um movimento de consolidação do setor. Como os juros e inflação subiram muito, muitas construtoras de pequeno porte tiveram de encerrar suas atividades. Maior e mais sólida, a companhia se beneficiou dessa diminuição da oferta. Como resultado, nos últimos 30 dias os papéis da companhia valorizaram 31,77% e custam agora R$ 16.

CURY (CURY3) 

Subsidiária da Cyrela que atua na baixa renda, enquanto os analistas do Itaú BBA recomendam a compra do papel, que andou 37,99% nos últimos 30 dias, e custa R$ 11,55. Já a Àgora prefere comprar a ação da controladora (CYRE3). Nos últimos 30 dias, o papel da Cyrela avançou 17,77%, e custa agora R$ 16,90.

Vale a pena investir agora?

Se os papéis já andaram tanto, ainda vale a pena aplicar dinheiro neles? De acordo com Cataldo, da Àgora, sim.

Ainda que tenham se valorizado, os preços ainda estão negociando abaixo de sua média histórica em relação ao seu valor patrimonial. Atualmente essas empresas negociam 1x o seu patrimônio, quando costumavam ficar, em média, na faixa de 1,5x nos últimos cinco anos. Ou seja, ainda há espaço para recuperação.

Recomendações da Àgora
Ações Preço-alvo dezembro 2022
Cyrela R$ 24
MRV R$ 17
Direcional R$ 19

Quando olhamos para o preço-alvo que cada instituição financeira coloca para os papéis, a quem tem maior potencial de alta é a Cyrela: até o final do ano, é esperado que o papel valorize cerca de 48%.

Na segunda posição, está a MRV, que tem potencial de valorizar mais de 30%. Por fim, o upside da Direcional pode chegar a mais de 25%.