Wall Street, Ibovespa e Bolsas na Europa caem após divulgação de payroll nos EUA

Os mercados aguardam uma possível reação do Federal Reserve, que poderia elevar os juros além do esperado
Touro de Wall Street (Drew Angerer/Getty Images)
Touro de Wall Street (Drew Angerer/Getty Images)
Carlo Cauti
Carlo CautiPublicado em 05/08/2022 às 10:58.

Os dados sobre a criação de novas vagas nos Estados Unidos, divulgados nesta sexta-feira, 5, pelo Departamento do Trabalho, surpreenderam positivamente.

A maior economia do mundo criou cerca de 528 mil novas vagas de trabalho, somando os setores público e privado. Mais do que o dobro do que era esperado pelo mercado, que previa a criação de 250 mil vagas.

Essa foi a 19º alta consecutiva do mercado de trabalho americano e a taxa de desempregou caiu no mês para 3,5%, voltando aos níveis pré-pandemia, de fevereiro de 2020..

Esses números desafiam os sinais que a recuperação econômica dos EUA esteja perdendo força.

Entretanto, Wall Street abriu o pregão desta sexta em queda, com o Dow Jones que perde 0,65%, o S&P 500 cai 1% e o Nasdaq está 1,25% em território negativo.

Também na Europa os mercados financeiros caem nesta sexta-feira, com o EuroStoxx 600 perdendo 0,5%, puxado para baixo pelas ações das empresas de tecnologia, que perdem, em média, mais de 1,1%.

No Brasil, o Ibovespa abriu em queda, mas por volta das 11h voltou timidamente para o território positivo.

Isso pois os mercados aguardam uma possível reação do Federal Reserve, que poderia elevar os juros além do esperado para tentar esfriar a economia.

Fed está tentando conter inflação sem gerar desemprego

A inflação ao consumidor americano chegou a 9,1% em junho, o maior patamar desde o início da década de 1980.

Na última decisão do banco central americano, a taxa de juros foi elevada em 0,75 ponto percentual (p.p.) para o intervalo de 2,25% e 2,50%. Essa foi a quarta alta desde março e a segunda consecutiva em que o Fed sobe a taxa em 0,75 p.p.

Os rendimentos dos títulos da dívida pública dos EUA estão subindo, com os papéis com vencimento em 10 anos que subiram quase 10 pontos percentuais desde a divulgação dos dados sobre abertura de vagas. Os com vencimento em dois anos subiram ainda mais.

A negociação de futuros de títulos da dívida federal mostra que os mercados esperam que os juros nos Estados Unidos cheguem em 3,61% em fevereiro de 2023, ante uma estimativa de 3,42% na sessão anterior.

As probabilidades calculada pelo CME Group, gigante do mercado de futures, que o Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC) aumente os juros na próxima reunião do dia 21 de setembro subiu para 67,5%. Ontem, essa porcentagem era de apenas 34%.

O Federal Reserve está tentando uma “aterrissagem suave” para a economia dos EUA, tentando reduzir a inflação elevada sem ter um aumento expressivo na taxa de desemprego.

Com os números divulgados nesta sexta-feira a previsão do presidente do Fed, Jerome Powell, sobre a possibilidade de atuar uma política monetária restritiva sem ter efeitos negativos sobre o desemprego poderia se concretizar.

"Dessa vez, diferente de algumas outras, a taxa de desemprego não caiu de maneira uniforme para todos os grupos. Os que tem menos escolaridade até aumentaram levemente a taxa de desemprego. Mas essa taxa de desemprego geral tão baixa mostra que qualquer americano que busca um emprego consegue achar. O aumento também do salário real dos americanos. E isso vai levar o Fed a subir ainda mais os juros, provavelmente por volta de 4%", declarou Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos.