Mercados

O dia em que o bitcoin sai das sombras

ÀS SETE - Chicago Mercantile Exchange (CME), maior bolsa de mercados futuros do mundo, começa a negociar opções e futuros em bitcoin

Bitcoin: desafio vai ser definir preços futuros para uma moeda que não para de subir a cada hora (Thomas Trutschel/Getty Images)

Bitcoin: desafio vai ser definir preços futuros para uma moeda que não para de subir a cada hora (Thomas Trutschel/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 18 de dezembro de 2017 às 06h57.

Última atualização em 18 de dezembro de 2017 às 07h22.

O bitcoin, a criptomoeda sensação de 2017, dá um novo passo para deixar de ser um ativo marginal nesta segunda-feira.

A Chicago Mercantile Exchange (CME), maior bolsa de mercados futuros do mundo, começa a negociar opções e futuros em bitcoin.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

O desafio vai ser definir preços futuros para uma moeda que não para de subir a cada hora. Na precificação inicial, no domingo, os contratos para janeiro começaram a ser vendidos a 20.650 dólares por cada bitcoin.

O valor das opções de compra é pouco acima da máxima que a moeda alcançou neste domingo, 19.783 dólares, segundo o site especializado em notícias de bitcoin, Coindesk.

No dia primeiro de janeiro, um bitcoin valia cerca de 1.000 dólares. Analistas acreditam que com a entrada na CME, seguida do início das operações de futuros da moeda na bolsa de futuros Chicago Board Options Exchange (CBOE) na semana passada, deve trazer maior valorização à moeda e também estabilidade ao preço, que estaria menos suscetível a flutuações abruptas com a negociação dos futuros.

Nos Estados Unidos, investidores institucionais são proibidos de comprar e operar dinheiro de fundos em bitcoin porque o mercado não é regulado.

Mas com a entrada de futuros nesse mercado é possível apostar no valor futuro da moeda negociando contratos que garantem a opção de compra futura do ativo a um determinado preço.

Os contratos da CBOE são baseados nos preços da casa de câmbio Gemini. Já os contratos da CME que começam a ser negociados hoje têm seus preços cotados de acordo com uma gama de casas de trocas, o que garante maior transparência aos investidores.

O bitcoin já tem ganhos na casa dos 2.000% no ano.

Acompanhe tudo sobre:Às SeteBitcoinbolsas-de-valoresCriptomoedasEstados Unidos (EUA)Exame Hoje

Mais de Mercados

Vale (VALE3), produção industrial dos EUA e Livro Bege: o que move o mercado

Ibovespa fecha em queda e encerra maior sequência de alta desde 2018

Galípolo, vendas do varejo nos EUA e Eneva (ENEV3): o que move o mercado

Atentado eleva patrimônio de Trump em R$ 6,5 bilhões

Mais na Exame