Invest

Netflix desaba 25%, balanço de Usiminas, GPA, Assaí e o que move o mercado

Bolsas da Europa sobem, apesar de nova surpresa com a inflação; resultados corporativos e prévias operacionais são destaques desta quarta

Netflix: ações despencam 25% após balanço do primeiro trimestre (Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket/Getty Images)

Netflix: ações despencam 25% após balanço do primeiro trimestre (Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket/Getty Images)

GG

Guilherme Guilherme

Publicado em 20 de abril de 2022 às 07h09.

Última atualização em 20 de abril de 2022 às 10h15.

O mercado internacional opera em tom ligeiramente positivo na manhã desta quarta-feira, 20, com os principais índices da Europa recuperando-se das perdas da véspera.

Dados de produção industrial da Zona do Euro, que saíram acima das expectativas para fevereiro, ficando em 2%, contribuem com a melhora de sentimento no continente, apesar do fantasma da inflação. Na Alemanha, o índice de preço ao produtor (IPP) saiu quase o dobro do esperado para março, com alta mensal de 4,9%. Na comparação anual, a inflação do produtor alemão saltou 30,9%.

Mas com a temporada de balanços do primeiro trimestre ganhando forma no exterior, parte das atenções se voltam aos resultados corporativos. Em Wall Street, o resultado da Netflix, que apresentou queda de 200.000 assinantes, mantém certa cautela entre investidores. As ações da empresa de streaming desabam 25% no pré-mercado.

Os resultados da Tesla e da P&G são os mais aguardados desta quarta. Economistas americanos também esperam pela divulgação do Livro Bege do Federal Reserve (Fed), de perspectivas econômicas, previsto para às 15h.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

  • Veja a seguir o desempenho dos indicadores às 7h (de Brasília):

    • Hang Seng (Hong Kong): -0,40%
    • SSE Composite (Xangai): -1,35%
    • Nikkei (Tóquio): +0,86%
    • FTSE 100 (Londres): +0,39%
    • DAX (Frankfurt): +1,22%
    • CAC 40 (Paris): +1,37%
    • S&P futuro (Nova York): +0,02%
    • Nasdaq futuro (Nova York): -0,10%
    • Petróleo Brent (Londres): +0,80% (para US$ 108,02)

Usiminas

Por aqui, a Usiminas irá abrir a temporada de resultados, com a divulgação de seus números após o encerramento pregão. O balanço deve servir de referência para os próximos do setor. A Vale, com balanço previsto para a próxima semana, apresentou sua prévia operacional na última noite.

Produção da Vale

Principal empresa da bolsa, a mineradora registrou queda de 6% na produção de minério de ferro contra o mesmo período do ano passado. As vendas caíram 9,6%. Entre as explicações para a menor produção, a Vale citou as chuvas em Minas Gerais.

GPA

O GPA (PCAR3), dos mercados Pão de Açúcar, apresentou receita bruta consolidada de R$ 11,1 bilhões em prévia do primeiro trimestre, 2,2% acima do registrado no mesmo período de 2021. Já as vendas da divisão GPA Brasil teve queda de 33,8% no trimestre, classificado como "desafiador" pela direção da empresa.

"O GPA Brasil está passando por um período de transição, que começou em outubro de 2021 no anúncio da descontinuação das lojas de hipermercados e drogarias e deve se estender até o final do segundo trimestre", afirmaram no comunicado.

Assaí

O Assaí, que se desmembrou do GPA no ano passado, segue em direção oposta, com crescimento de 21,1% em sua receita líquida para R$ 11,44 bilhões. "Esse resultado reflete a alta performance das 32 lojas inauguradas nos últimos 12 meses (+15,4%) e o robusto desempenho das vendas ‘mesmas lojas’", disse a empresa em sua prévia operacional.

Carrefour

O Carrefour Brasil foi outra rede de mercados a apresentar forte crescimento. O número das vendas brutas saltou 14,5% na comparação anual para R$ 20,8 bilhões. Na frente digital, a alta foi de 50,8%, puxada pela venda de alimentos. "[O crescimento foi] impulsionado pela escalabilidade do Atacadão e pela recente iniciativa de picking in store do varejo."

Acompanhe tudo sobre:AçõesAssaibolsas-de-valoresCarrefourNetflixPão de AçúcarVale

Mais de Invest

“Não tente acertar o futuro”: a lição de Howard Marks a investidores brasileiros

Renda variável x renda fixa: como escolher o que é melhor para mim?

“Continuamos acreditando que o governo vai fazer o certo”, diz CEO do Santander

Mega-Sena acumulada: quanto rendem R$ 65 milhões na poupança

Mais na Exame