Acompanhe:

Itaú (ITUB4) tem lucro de R$ 8,1 bilhões no 3º tri, em linha com o esperado

Banco atribui resultado à margem financeira com clientes, impulsionada pelo crescimento na carteira de crédito

Itaú (ITUB4): lucro ficou abaixo do registrado pelo Banco do Brasil para o período (Itaú/Wikimedia Commons)

Itaú (ITUB4): lucro ficou abaixo do registrado pelo Banco do Brasil para o período (Itaú/Wikimedia Commons)

B
Beatriz Quesada

11 de novembro de 2022, 10h48

O Itaú (ITUB4), maior banco privado do País, teve lucro de R$ 8,079 bilhões no terceiro trimestre deste ano, alta de 19,2% na comparação anual. O balanço, divulgado nesta quinta-feira, 10, ficou acima das expectativas dos analistas, que esperavam um resultado de R$ 7,956 bilhões.

O retorno sobre patrimônio líquido (ROE), que indica a capacidade do banco de rentabilizar seu capital, subiu para 21%, alta de 1,3 ponto percentual frente ao mesmo período do anterior.

O Itaú destaca o aumento da margem financeira com clientes como um dos pontos que impulsionou o resultado no terceiro trimestre. A margem foi impactada pelo crescimento na carteira de crédito, em especial nas linhas de crédito pessoal e cartão de crédito.

A carteira de crédito total cresceu 15,5% ante o terceiro trimestre de 2021, atingindo R$ 1,11 trilhão em setembro deste ano. Na carteira de pessoas físicas, o aumento está relacionado aos volumes de linhas de crédito pessoal (34,4%), cartão de crédito (32,7%) e crédito imobiliário (27,4%), na comparação com o mesmo período de 2021. A carteira de micro, pequenas e médias empresas cresceu 16,3% ante o terceiro trimestre de 2021, e a de grandes empresas aumentou 17,0% no mesmo período. 

A inadimplência, por sua vez, subiu 0,2 pontos percentuais na comparação anual. O indicador passou de 2,6% em setembro de 2021 para 2,8% no mesmo período deste ano – um percentual de alta mais brando do que o registrado pelos pares privados.

As provisões contra a inadimplência, no entanto, cresceram 52,7%, para R$ 7,992 bilhões.

As perdas com provisões foram compensadas pela margem financeira, que reflete os ganhos com operações que rendem juros. O indicador saltou 22,5% na comparação anual, para R$ 23,901 bilhões. A margem com clientes, que inclui as operações de crédito, crescey 33%, para R$ 23,385 bilhões.

O resultado final do Itaú ficou abaixo do registrado pelo Banco do Brasil (BBAS3), que teve lucro de R$ 8,36 bilhões – o melhor do setor na temporada. O ROE do banco estatal também foi mais alto: 21,8% contra 21% do Itaú.

Leia mais: Banco do Brasil: qual o segredo da alta no lucro enquanto Bradesco e Santander derrapam?