Governo regulamenta a oferta secundária de ações da Eletrobras

Decreto foi publicado em edição extra do Diário Oficial
A União detém diretamente 51,82% das ações ordinárias da Eletrobras (Pilar Olivares/Reuters)
A União detém diretamente 51,82% das ações ordinárias da Eletrobras (Pilar Olivares/Reuters)
Por Agência BrasilPublicado em 02/04/2022 07:33 | Última atualização em 02/04/2022 10:42Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Um decreto publicado nesta sexta-feira, 1º, em edição extra do Diário Oficial da União, regulamentou a venda de ações das Eletrobras (ELET3/ELET6) que estão em posse do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e de suas subsidiárias, em especial aquelas em posse da BNDES Participação S.A., a BNDESPAR.

A Eletrobras está em processo de desestatização por meio do aumento de seu capital social e, segundo a lei que autorizou esse processo, isso pode ser acompanhado da oferta secundária de ações de propriedade da União ou de empresa por ela controlada direta ou indiretamente.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

A União detém diretamente 51,82% das ações ordinárias da Eletrobras, de acordo com informações referentes com ao terceiro trimestre do ano passado. Com a desestatização, haverá aumento de capital social, com a oferta primária de ações, que consiste na venda de novas ações no mercado. A intenção é que o volume de ações adquiridos por entes privados seja suficiente para diluir a participação da União, de modo que esta não seja mais controladora da companhia.

Se a oferta inicial de ações não seja suficiente para alcançar essa finalidade, a lei permite que haja uma oferta secundária de ações que estão de posse da Administração Pública federal, para que a União perca a maioria do capital votante da Eletrobras. Esse é o objetivo deste decreto, que venderá cerca de 16,78% do total de ações ordinárias da Eletrobras que estavam em posse do BNDES e de suas subsidiárias.