Invest

Dynamo zera posição em Hapvida; ação afunda 11%

As ações fecharam no menor patamar de sua história após uma das gestoras de ações mais reverenciadas do país e diversos analistas do sell-side abandonarem uma visão mais otimista para o papel

Hapvida: ' disfuncionalidades na gestão da integração associadas à piora do economics do negócio com aumento simultâneo da competição e da sinistralidade logo frustraram nossas expectativas', diz Dynamo (Hapvida/Divulgação)

Hapvida: ' disfuncionalidades na gestão da integração associadas à piora do economics do negócio com aumento simultâneo da competição e da sinistralidade logo frustraram nossas expectativas', diz Dynamo (Hapvida/Divulgação)

B

Bloomberg

Publicado em 9 de janeiro de 2023 às 21h00.

As ações da Hapvida fecharam no menor patamar de sua história nesta segunda-feira após uma das gestoras de ações mais reverenciadas do país e diversos analistas do sell-side abandonarem uma visão mais otimista para o papel.

A Dynamo, cujo principal fundo rendeu cerca de 21% anualizado nos últimos 26 anos, disse que decidiu sair por completo do investimento em Hapvida, trocando parte da posição por Rede D’Or, segundo uma cópia de carta a cotistas referente ao quarto trimestre obtida pela Bloomberg.

A Dynamo, uma das gestoras mais antigas do Brasil, acreditava que a combinação de negócios com a Intermédica — anunciada em 2021 — poderia ser virtuosa para a Hapvida, disse o fundo, em carta enviada na última sexta-feira. “Mas as disfuncionalidades na gestão da integração associadas à piora do economics do negócio com aumento simultâneo da competição e da sinistralidade logo frustraram nossas expectativas.”

Analistas do Bank of America e do Bradesco BBI rebaixaram a recomendação para as ações da Hapvida para neutra, em meio à visão de que a lucratividade da companhia deve seguir pressionada no curto prazo.

A competição permanece acirrada e a sinistralidade deve melhorar a um ritmo mais devagar, segundo Fred Mendes, do BofA. Marcio Osako, do Bradesco, cortou sua projeção de lucro líquido ajustado em 2023 para a Hapvida em 40%, para cerca de R$ 965 milhões.

Na sexta-feira, o JPMorgan havia rebaixado a recomendação de Hapvida de overweight para neutra, reduzindo expectativas de lucro por ação em 50%.

As ações fecharam em queda de 11%, a R$ 4,20 em São Paulo nesta segunda-feira.

 

 

Acompanhe tudo sobre:AçõesBloombergbolsas-de-valoresDynamoHapvida

Mais de Invest

Quem ganha e quem perde no mercado no caso da vitória de Trump?

Eletrobras (ELET6): recompra de ações pode gerar ganho para os acionistas?

China estabelece fundo de investimentos em ativos de terra de empresas estatais de 30 bilhões yuans

Atentado a Trump fortalece o dólar e impulsiona novo trade na bolsa, diz economista-chefe da Avenue

Mais na Exame