Invest

Dólar deve cair a R$ 4,50 e ajudar corte da Selic, diz Rio Bravo

O dólar deve recuar para cerca de R$ 4,50 com o esperado início do alívio monetário nos EUA

Rio Bravo: Um ponto que vai ajudar nos próximos anos é o câmbio” (Stock/Getty Images)

Rio Bravo: Um ponto que vai ajudar nos próximos anos é o câmbio” (Stock/Getty Images)

Bloomberg
Bloomberg

Agência de notícias

Publicado em 19 de janeiro de 2024 às 10h40.

O dólar deve recuar para cerca de R$ 4,50 com o esperado início do alívio monetário nos EUA, o que ajudará a conter pressões inflacionárias e permitirá juros mais baixos no Brasil, segundo a Rio Bravo Investimentos.

Segundo Buccini, o dólar pode até cair abaixo desse patamar se o ambiente for mais favorável do que o esperado. Ele prevê que o Fed começará a cortar o juro entre março e maio.

“Um ponto que vai ajudar nos próximos anos é o câmbio”, diz Evandro Buccini, sócio e diretor de gestão de crédito e multimercado da Rio Bravo. “O real está se valorizando com o pico dos juros americanos”, afirma ele.

Nos últimos dias, as apostas em queda dos juros americanos em março perderam força com falas de dirigentes do Fed e dados mais fortes que o esperado nos EUA. As apostas que chegaram a precificar chance de 85%, caíram para cerca de 50% nesta quarta-feira. A reprecificação se estendeu também para a Europa, com alerta da presidente do BCE, Christine Lagarde, e aceleração da inflação no Reino Unido.

Balança e Selic favorecem

Além da expectativa de reversão do aperto nos EUA, Buccini destaca como favoráveis ao câmbio o fato de a Selic permanecer em nível alto e a balança de pagamentos do Brasil, que está “muito saudável”.

A Rio Bravo espera que o corte da Selic continue em 0,50 ponto percentual por reunião até chegar a 9,25%, no final do ano. A partir deste nível, ele considera que o BC tende a adotar maior cautela com a resistência da inflação em cair abaixo dos níveis atuais, diante de fatores como a incerteza fiscal e o efeito do clima sobre os alimentos.

Mesmo o câmbio ainda é um fator de incerteza para a inflação, pois o dólar não necessariamente vai repetir nos anos seguintes a queda esperada para 2024. “Não podemos contar com isso todo ano”, disse o diretor da Rio Bravo.

Confira as últimas notícias de Invest:

Acompanhe tudo sobre:DólarJurosSelicBloombergEstados Unidos (EUA)

Mais de Invest

Entenda a nova tributação de investimentos no exterior

O que é Price Action? Entenda como funciona a técnica

Como funciona um seguro patrimonial? Entenda tudo

Quanto rende R$ 5 milhões na poupança? Veja agora

Mais na Exame