Alta do petróleo, Cury, Helbor, Ânima e Ser e o que mais move o mercado

Desentendimentos sobre aumento de produção levam preço do barril ao maior nível desde 2018
Extração de petróleo | Foto: Shannon Stapleton/Reuters (Shannon Stapleton/Reuters)
Extração de petróleo | Foto: Shannon Stapleton/Reuters (Shannon Stapleton/Reuters)
Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Publicado em 06/07/2021 às 07:06.

Última atualização em 06/07/2021 às 09:01.

Os índices futuros americanos oscilam próximo da estabilidade na manhã desta terça-feira, 6, que marca a volta do mercado americano após os Estados Unidos terem comemorado o Dia da Independência no início da semana. No último pregão de Wall Street,  os índices Dow Jones, Nasdaq e S&P 500 fecharam em níveis recordes, embalados pela criação de empregos acima do esperada revelada pelos dados do payroll

Na Europa, as principais bolsas de valores apresentam leves quedas, com preocupações sobre novas restrições no Reino Unido e com dados econômicos abaixo do esperado na Alemanha, onde esperava-se uma alta de 1% nas encomendas da indústria, mas houve queda de 3,7%. 

Petróleo

O que alimenta parte desse temor é a disparada do petróleo, que, nesta manhã, atingiu sua cotação máxima desde 2018 ao ser negociado a 77,83 dólares o barril em Londres. Nos Estados Unidos, o petróleo WTI está próximo de chegar aos patamares de 2014.

O que impulsiona a valorização da commodity é um desacordo entre os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) sobre o aumento da produção. Na semana passada, os membros do cartel não conseguiram chegar a um acordo. E o mesmo ocorreu na véspera, quando uma nova reunião foi cancelada por supostos desentendimentos entre a Arábia Saudita e os Emirados Árabes. Com a demanda aumentando com as reaberturas e a produção estagnada, o preço sobe. 

A alta do petróleo, embora fortaleça a narrativa de inflação, pode contribuir com a bolsa brasileira, dada a participação de mais de 10% das ações da Petrobras no Ibovespa. Nesta manhã, ações da petrolífera Shell sobem cerca de 1% na bolsa de Londres, enquanto os papéis da Exxon Mobil e Chevron avançam no mesmo passo no pré-mercado americano. 

Outra commodity que segue em movimento de alta é o minério de ferro, que subiu 2,8% na  China. No pré-mercado americano, as ADRs da Vale sobem 0,7%.

Ânima e Ser

A Ânima (ANIM3) e a Ser Educação (SEER3) fizeram um destrato da opção de venda da Faculdade Internacional da Paraíba (FPB), do Centro Universitário dos Guararapes (UNIFG) e do CEDEPE Business School. 

Cury 

Em prévia operacional do segundo trimestre, a construtora Cury (CURY3) registrou 686 milhões de reais em lançamentos (VGV), estabelecendo um novo recorde para a companhia e superando em 120,3% os números do mesmo período de 2020. No período, o valor das vendas atingiu 683 milhões de reais, 133,7% maior do que o do segundo trimestre de 2020 e 15,6% superior ao período anterior.

Helbor

Embora menor em valor de mercado, a construtora Helbor (HBOR3) chegou a superar o VGV da Cury no período, com 750 milhões de reais em lançamentos no segundo trimestre. Os números foram sustentados pelos lançamentos do Patteo Mogilar e Reserva Ipoema, em Mogi das Cruzes, e pelos empreendimentos Reserva Caminhos da Lapa e Grand Home Patteo Klabin, em São Paulo.

Ambipar

A Ambipar (AMBP3) realizou sua 17ª aquisição desde sua abertura de capital no ano passado, com a compra da colombiana Sabi Tech, especializada em gestão de riscos e emergências ambientais.