Inteligência Artificial

OpenAI melhora processo de recrutamento por temer espiões chineses

A empresa de IA e outras companhias do Vale do Silício estão aumentando o escrutínio sobre funcionários e candidatos devido a preocupações com a espionagem industrial

Sam Altman: CEO da OpenAI (JASON REDMOND/Getty Images)

Sam Altman: CEO da OpenAI (JASON REDMOND/Getty Images)

André Lopes
André Lopes

Repórter

Publicado em 20 de junho de 2024 às 10h33.

Última atualização em 20 de junho de 2024 às 12h49.

Empresas de tecnologia do Vale do Silício estão aumentando a verificação de segurança de funcionários e potenciais contratados à medida que autoridades dos EUA manifestam crescente preocupação com a ameaça de espionagem chinesa.

Quem vai vencer a corrida pela melhor IA?

O processo para garantir segurança, por hora, tem sido aumentar as camadas de triagem. Na lista dos preocupados, Google e startups de destaque como OpenAI. A medida ocorre em meio a temores de que governos estrangeiros estejam tentando usar trabalhadores comprometidos para acessar propriedade intelectual e dados das empresas.

Empresas de capital de risco, como a Sequoia Capital, que apoia dezenas de startups incluindo a xAI de Elon Musk, também incentivaram algumas empresas de seu portfólio a apertar a verificação de funcionários após alertas de que agências de espionagem estão mirando desenvolvedores de tecnologia dos EUA.

A Sequoia desmembrou seu negócio chinês no ano passado após quase duas décadas devido à pressão geopolítica. Alex Karp, CEO da Palantir, contratada de análise de dados de US$ 53 bilhões para a indústria de defesa dos EUA, afirmou que a espionagem chinesa em empresas de tecnologia dos EUA é "um grande problema", especialmente para produtores de software empresarial, modelos de linguagem de grande escala e sistemas de armas.

O esforço de segurança reforçado ocorre enquanto autoridades dos EUA aumentaram os avisos às empresas sobre a ameaça da espionagem chinesa nos últimos dois anos. Washington e Pequim estão em uma crescente competição estratégica, com os EUA impondo controles de exportação para dificultar que a China obtenha e desenvolva tecnologias de ponta, incluindo inteligência artificial e chips avançados.

No entanto, também há preocupações sobre um aumento da xenofobia nas empresas de tecnologia dos EUA, dado o predomínio de trabalhadores qualificados de ascendência asiática. HR McMaster, ex-conselheiro de segurança nacional dos EUA, que tem aconselhado empresas de tecnologia e firmas de investimento sobre os riscos de espionagem estrangeira, disse que a ameaça das agências de inteligência chinesas é "absolutamente real e persistente".

Preocupação crescente

Casos de espionagem chinesa remontam a décadas, mas parecem ter se multiplicado nos últimos anos. Em março, promotores dos EUA acusaram um ex-engenheiro de software do Google de supostamente roubar segredos comerciais de IA enquanto trabalhava secretamente com duas empresas sediadas na China. Tesla, Micron e Motorola foram todas sujeitas a roubo "flagrante" de propriedade intelectual pela China nos últimos cinco anos, segundo os EUA.

Um punhado de empresas privadas surgiu para oferecer inteligência estratégica a negócios sobre ameaças de espionagem chinesa. A Strider Technologies, baseada em Utah, fornece uma ferramenta de dados para empresas com o objetivo de prevenir que estados-nação visem seus funcionários e se infiltrem em fornecedores e vendedores terceirizados.

O sistema da Strider usa IA para coletar dados sobre os métodos que as agências de inteligência estrangeiras estão implantando para mirar empresas e seus funcionários. Por exemplo, rastreia centenas de "planos de talentos" chineses, que supostamente recrutam cientistas e professores estrangeiros e os incentivam a roubar tecnologias para avançar os objetivos militares e econômicos da China. Bill Priestap e HR McMaster são conselheiros da Strider.

O Departamento de Justiça dos EUA, em 2022, encerrou um programa controverso chamado "China Initiative" que foi iniciado durante a administração Trump. O programa, apesar de sugerir uma aproximação diplomática para transferência de conhecimento acadêmico, acabou com uma condenação do professor de química da Universidade de Harvard, Charles Lieber, que foi encontrado aceitando dinheiro da China através de um programa patrocinado pelo estado para ajudar o país a obter conhecimento científico e expertise nos EUA e em outros lugares.

Conheça os principais laboratório de inteligência artificial do mundo

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialEspionagemChinavale-do-silicio

Mais de Inteligência Artificial

5 teorias malucas para explicar o "Grande Apagão Cibernético"

Loft apresenta simulador com IA no WhatsApp que encurta prazo de financiamento de 60 para 30 dias

OpenAI lança GPT-4o Mini, um modelo mais leve e acessível para desenvolvedores

O Brasil entre a inovação e a colonização digital

Mais na Exame