• AALR3 R$ 20,11 -0.94
  • AAPL34 R$ 65,20 -3.13
  • ABCB4 R$ 16,84 -2.88
  • ABEV3 R$ 13,85 -2.05
  • AERI3 R$ 3,62 -2.16
  • AESB3 R$ 10,67 -0.28
  • AGRO3 R$ 30,52 -1.04
  • ALPA4 R$ 19,94 -3.86
  • ALSO3 R$ 19,03 -0.37
  • ALUP11 R$ 26,68 0.30
  • AMAR3 R$ 2,37 -2.87
  • AMBP3 R$ 29,81 -2.39
  • AMER3 R$ 23,01 -0.35
  • AMZO34 R$ 65,69 -1.84
  • ANIM3 R$ 5,34 -3.09
  • ARZZ3 R$ 80,08 -1.38
  • ASAI3 R$ 15,56 0.71
  • AZUL4 R$ 20,79 -2.12
  • B3SA3 R$ 11,92 0.93
  • BBAS3 R$ 36,90 3.36
  • AALR3 R$ 20,11 -0.94
  • AAPL34 R$ 65,20 -3.13
  • ABCB4 R$ 16,84 -2.88
  • ABEV3 R$ 13,85 -2.05
  • AERI3 R$ 3,62 -2.16
  • AESB3 R$ 10,67 -0.28
  • AGRO3 R$ 30,52 -1.04
  • ALPA4 R$ 19,94 -3.86
  • ALSO3 R$ 19,03 -0.37
  • ALUP11 R$ 26,68 0.30
  • AMAR3 R$ 2,37 -2.87
  • AMBP3 R$ 29,81 -2.39
  • AMER3 R$ 23,01 -0.35
  • AMZO34 R$ 65,69 -1.84
  • ANIM3 R$ 5,34 -3.09
  • ARZZ3 R$ 80,08 -1.38
  • ASAI3 R$ 15,56 0.71
  • AZUL4 R$ 20,79 -2.12
  • B3SA3 R$ 11,92 0.93
  • BBAS3 R$ 36,90 3.36
Abra sua conta no BTG

Accenture apresenta o board do futuro. Confira

Última instância de decisão nas empresas, conselho administrativo deve ser formado por executivos menos suscetíveis a pressões por resultados imediatos
 (Getty Images/Klaus Vedfelt)
(Getty Images/Klaus Vedfelt)
Por exame.solutionsPublicado em 05/11/2021 09:00 | Última atualização em 05/11/2021 12:31Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Há pouco menos de uma década, em 2013, a Accenture conduziu uma pesquisa com 1.000 CEOs de 27 setores em 103 países. A partir dela, observou que 80% dos CEOs viam a sustentabilidade como um meio de ganhar vantagens competitivas em relação à concorrência e 81% acreditavam que a reputação de sustentabilidade de sua empresa era importante nas decisões de compra dos consumidores.

Contudo, o mesmo estudo descobriu que apenas 33% dos pesquisados pensavam que a empresa estava fazendo esforços suficientes para resolver desafios de sustentabilidade global. O que justificaria esse desequilíbrio entre reconhecer a importância da sustentabilidade e agir por ela?

“Há uma pressão do mercado financeiro para trazer um retorno no curto prazo, mas essa visão ficou ultrapassada”, afirma Augusto Korps, diretor da Accenture Strategy & Consulting.

Diversos estudos mostram que responsabilidade empresarial e lucratividade não são incompatíveis, mas, na verdade, complementares. Uma análise da Accenture em parceria com a Arabesque mostra que as empresas com classificação ESG mais altas tiveram margens operacionais 4,7 vezes maiores que a concorrência no período entre 2013 e 2019. Elas também pagaram os acionistas 2,3 vezes melhor.

Do stockholder para o stakeholder

Ao mudar o foco do stockholder (acionista) para o stakeholder (seja qual for a parte interessada), pautas ambientais, sociais e de governança corporativa entraram na agenda do conselho administrativo.

Além de aprovar o plano estratégico e orientar investimentos, é seu papel garantir a transparência e a credibilidade, prestando contas e mitigando riscos do negócio.

Consumidores, fornecedores e colaboradores estão cada vez mais atentos e interessados em saber como as marcas se responsabilizam pelo uso dos recursos, pelas pessoas que trabalham em sua cadeia produtiva e como se posicionam, no RH e na publicidade, em respeito à diversidade.

A pandemia colocou ainda uma nova camada de responsabilidade a ser considerada, em relação à segurança e à saúde mental de seus stakeholders.

A boa notícia é que há muitas oportunidades escondidas nesta agenda tão complexa. Podem-se descobrir novas receitas, tornar-se porta-voz de movimentos e causas importantes e ganhar eficiência produtiva.

As empresas que têm as melhores práticas sustentáveis têm se mostrado mais resilientes para enfrentar as crises – e na pandemia enfrentaram menor volatilidade no mercado financeiro. “Por isso, é preciso que o board tenha uma visão crítica, orientada a trazer resultados e práticas sustentáveis”, diz Korps, da Accenture.