Future of Money

Fidelity: volatilidade do bitcoin está caindo com mais sinais de "maturidade"

Gestora destaca que a maior criptomoeda do mercado teve menos volatilidade nos últimos dois anos que as ações da Netflix

Fidelity destacou evolução do bitcoin (Reprodução/Reprodução)

Fidelity destacou evolução do bitcoin (Reprodução/Reprodução)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 2 de maio de 2024 às 16h22.

Última atualização em 2 de maio de 2024 às 17h05.

A gestora Fidelity divulgou um relatório na última quarta-feira, 1º, em que destaca uma redução da volatilidade do preço do bitcoin para o menor nível já registrado. Analistas apontam que o movimento ocorre em meio a um crescimento da maturidade da maior criptomoeda do mercado.

Na visão dos analistas, "novos ativos normalmente levam tempo para realizarem uma descoberta de preços e maturação para depois se estabelecerem em uma menor volatilidade". Entretanto, esse fenômeno estaria ocorrendo agora com a criptomoeda, e a tendência é de continuidade.

A Fidelity destacou que diversos ativos já apresentaram um cenário semelhante, incluindo o próprio ouro, que teve alta volatilidade de preço após o fim do "padrão ouro" pelos Estados Unidos na década de 1970. E, considerando a evolução nos últimos 15 anos, a volatilidade do bitcoin tem caído.

"Há uma clara tendência de queda na volatilidade do bitcoin ao longo de sua vida útil e acreditamos que essa tendência continuará à medida que o bitcoin continuar a amadurecer ao longo do tempo", defendem os analistas no relatório.

Um levantamento da Fidelity aponta que, atualmente, a criptomoeda apresenta menos volatilidade que 33 das 500 companhias que compõem o índice S&P 500. Dependendo da métrica avaliada e da faixa temporal, esse número chegaria ainda a 92 companhias, tendo como base o comportamento em outubro de 2023.

Um exemplo citado pelos analistas é o da ação do gigante de streaming Netflix. A Fidelity destaca que o bitcoin apresentou menos volatilidades nos últimos dois anos do que os papéis da empresa. Além disso, a volatilidade da criptomoeda "não está muito aquém da observada nas sete magníficas", o grupo de ações com alta performance na bolsa.

Ao mesmo tempo, a expectativa da gestora é que a criptomoeda ainda enfrente períodos de volatilidade maior devido ao surgimento de novos fluxos de capital com a aprovação dos fundos negociados em bolsa (ETFs, na sigla em inglês) de preço à vista do ativo, mas a tendência é que esse fenômeno termine com o tempo.

"À medida que a classe de ativos amadurece e sua capitalização total de mercado aumenta, espera-se que a entrada de capital tenha um impacto menor porque fluirá para uma base de capital maior. Novos fluxos de capital não movimentarão tanto o mercado ou o comprador ou vendedor marginal", avalia a Fidelity.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:BitcoinFidelity InvestmentsCriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

Ferrari anuncia que vai aceitar pagamentos em criptomoedas na Europa

Worldcoin, projeto de Sam Altman, nega acusações de insider trading de criptomoeda própria

Donald Trump vai cobrar R$ 300 mil por fotos em evento sobre bitcoin

Drex: Campos Neto diz que soluções para problemas estão 'muito perto' e prevê 'boas notícias'

Mais na Exame