Ciclos de baixa do bitcoin são coisa do passado, diz Pantera Capital

"Quedas de preço de 80% não acontecerão mais", afirmou Dan Morehead, CEO da gestora da Pantera Capital, na última edição do boletim da gestora de fundos de investimento em criptomoedas

Dan Morehead, CEO da gestora de investimentos em criptomoedas Pantera Capital, apresentou uma série de dados na última edição do boletim "Blockchain Letter" para mostrar que os ciclos de baixa acentuada do bitcoin, com quedas de preço de até 80%, são coisa do passado.

De acordo com Morehead, os halvings, eventos em que a emissão de novos BTCs é cortada pela metade, terão cada vez menos efeitos sobre a ação de preço da maior criptomoeda do mercado. Até então, os ciclos do mercado de criptomoedas se estruturavam em torno do evento, que é programado para acontecer de quatro em quatro anos, e a partir dele era possível antever alguns movimentos do preço do bitcoin, conforme explica o CEO da Pantera Capital:
O bitcoin historicamente atingia o fundo 459 dias antes do halving, subia um pouco antes do evento e explodia rumo ao topo posteriormente a ele. As altas após o halving duraram em média 446 dias - desde o halving até o pico do ciclo de alta. No ciclo atual, o mercado chegou ao fundo 514 dias antes do halving. Se a história se repetisse, o bitcoin deveria ter atingido o pico em agosto de 2021. Dessa vez, atingiu seu pico um pouco mais cedo - em 14 de abril, em US$ 64.863.

Conforme é possível ver no gráfico abaixo, a era da volatilidade extrema pode estar chegando ao fim.

Ciclos de preço do bitcoin ao longo da história.

Ciclos de preço do bitcoin ao longo da história. (Pantera Capital/Reprodução)

A tese de Morehead se baseia na mudança da relação stock-to-flow a cada halving. O primeiro halving, em 2013, reduziu a emissão de novos bitcoins em 15% do total de BTC então em circulação, causando um grande impacto sobre a entrada de novas moedas no mercado e, portanto, teve um grande impacto também no preço.

Desde então, a cada novo halving, o impacto vem diminuindo de forma evidente e deverão diminuir ainda mais nos próximos, afirma o CEO da Pantera Capital:
O segundo halving diminuiu a emissão de novos bitcoins em apenas um terço em relação ao primeiro primeiro. E, muito interessante, teve exatamente um terço de impacto sobre o preço. O halving de 2020 reduziu novamente a emissão de novos bitcoins em cerca de um terço em relação ao halving anterior. Teve um pouco menos de um terço de impacto sobre o preço.

A conclusão de Morehead é de que o bitcoin está entrando em uma nova fase de preços em que as correções serão mais suaves . O próprio recuo observado na queda de maio seria prova disso. Depois de duas correções pesadas de 83% após alcançar novos recordes históricos de preço em 2013 e 2017, este ano a queda ficou em 54%.

Após um breve ciclo de baixa desde então, o mercado está de volta a um ciclo de alta, afirma:
Minha sensação é que terminamos o ciclo do último halving em abril. Tivemos um período de "insanidade temporária" - em que as proibições chinesas à mineração eram consideradas negativas - e agora estamos em um novo mercado altista.

O lado negativo dessa constatação, ele afirma, lembrando a máxima de que "não há almoço grátis", é que assim como as quedas serão mais suaves, os ralis de alta também assim o serão. Dificilmente valorizações de 1000% em um ano se repetirão no futuro.

Nos doze meses anteriores ao último recorde histórico de preço, em abril, o bitcoin valorizou-se em 822%. No ciclo anterior, a alta acumulada foi 2.440%.

A ação de preço do Bitcoin nos ralis prévios e posteriores aos halvings ao longo da história.

A ação de preço do Bitcoin nos ralis prévios e posteriores aos halvings ao longo da história. (Pantera Capital/Reprodução)

 

"Compre o rumor, venda o fato"

Outra constatação interessante sobre o comportamento do mercado apontada por Morehead foi a coincidência de rumores que se tornaram fatos exatamente no dia em que o preço do bitcoin alcançou novos topos históricos. Aconteceu em 2017 e se repetiu também agora em 2021.

No ciclo anterior, o rumor dizia respeito à listagem do bitcoin na CME (Bolsa de Mercadorias e Futuros de Chicago). Exatamente no dia em que o anúncio foi feito o BTC chegou a US$19,783. Imediatamente depois iniciou-se a queda.

Em 2021, o fato aguardado era o IPO (oferta pública de ações) da Coinbase na Nasdaq e, lembra Morehead, "o bitcoin atingiu o pico de US$ 64.863 naquele dia e um mercado baixista de -53% começou a seguir."

Então. o CEO da Pantera Capital encerra esta sessão do boletim pedindo para ser avisado sobre a data da aprovação do aguardado ETF de contratos futuros em bitcoin nos EUA, pois pode ser interessante realizar algum lucro antes do anúncio oficial.

No momento, o bitcoin é cotado a US$ 57.434, com uma valorização de aproximadamenre 3,6% nas últimas 24 horas. Outro indicador positivo a respeito da maior criptomoeda do mercado é que, marcando 46,2%, a sua dominância também está em alta. As informações são do CoinMarketCap

Conforme noticiado recentemente, o primeiro ETF totalmente lastreado em Bitcoin do Brasil já dobrou de valor desde o seu lançamento em 23 de junho.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também