Future of Money
Acompanhe:

Bancos centrais podem usar bitcoin para combater sanções, aponta pesquisa de Harvard

Matthew Ferranti, um candidato a Ph.D. em Harvard, apontou que o bitcoin é um ativo de cobertura alternativo ideal para os bancos centrais

Universidade de Harvard (Maddie Meyer/Getty Images)

Universidade de Harvard (Maddie Meyer/Getty Images)

C
Cointelegraph Brasil

Publicado em 27 de novembro de 2022, 09h30.

Um trabalho de pesquisa publicado na Universidade de Harvard destacou como os bancos centrais podem usar bitcoin para se proteger contra sanções financeiras de emissores de reservas fiduciárias.

Um documento de trabalho, intitulado “Risco de Sanções de Cobertura: Criptomoeda nas Reservas do Banco Central”, divulgado por Matthew Ferranti, candidato a Ph.D. do departamento de economia da universidade, explorou o potencial do bitcoin como um ativo de cobertura alternativo para os bancos centrais combaterem possíveis sanções.

Ferranti argumentou que há mérito para os bancos centrais manterem uma pequena quantidade de bitcoin, mesmo em circunstâncias normais. No entanto, quando há risco de sanções, o pesquisador disse que faz sentido manter uma parcela maior do bitcoin junto com suas reservas de ouro.

(Mynt/Divulgação)

No trabalho, o pesquisador também destacou que os países que corriam riscos de sanções dos Estados Unidos vêm aumentando muito mais a participação em suas reservas de ouro do que os países com menor risco de sanções. Se esses bancos centrais não conseguirem adquirir ouro suficiente para cobrir os riscos de sanções, o pesquisador argumentou que as reservas de bitcoin são uma alternativa ideal.

Além disso, o pesquisador acredita que o risco de sanções pode eventualmente estimular a diversificação das reservas do banco central, fortalecendo o valor das criptomoedas e do ouro. Ferranti concluiu que há benefícios significativos na diversificação das reservas e na alocação de partes para bitcoin e ouro.

Estrategistas digitais do Bank of America (BofA) destacaram que o aumento na correlação entre bitcoin e ouro é um indicador da confiança dos investidores no Bitcoin durante a atual crise econômica. Além disso, os estrategistas do BofA acreditam que o aumento da autocustodia também indica uma possível queda na pressão de venda.

Embora a autocustódia tenha começado a se destacar em meio à queda da exchange FTX, alguns membros da comunidade argumentaram que não é isenta de riscos. De bugs em contratos inteligentes a entes queridos acessando criptoativos após a morte, os membros da comunidade apontaram possíveis problemas que podem surgir quando as pessoas precisam autocuidar de seus ativos digitais.

Até quando você vai deixar de investir em crypto? Abra sua conta na Mynt e explore novas formas de investir sem medo. Clique aqui para desbloquear seu mundo crypto.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok