Racismo precisa ser discutido pelo Fed, diz Bostic

“Esta é uma questão econômica”, disse ele, e afeta diretamente a produtividade da economia. “Precisamos falar sobre isso.”
FED: Bostic, ex-professor de economia da Universidade do Sul da Califórnia, abriu novos caminhos ao se tornar o primeiro líder negro de um dos 12 bancos regionais do Fed na história do banco (Bloomberg/Bloomberg)
FED: Bostic, ex-professor de economia da Universidade do Sul da Califórnia, abriu novos caminhos ao se tornar o primeiro líder negro de um dos 12 bancos regionais do Fed na história do banco (Bloomberg/Bloomberg)
Por BloombergPublicado em 10/01/2022 12:15 | Última atualização em 10/01/2022 12:15Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Por Steve Matthews, da Bloomberg

Os dirigentes de bancos centrais precisam se manifestar sobre as barreiras econômicas causadas pelo racismo e a necessidade de inclusão e diversidade, disse o presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, em resposta aos críticos que vêem esse trabalho como uma distração dos principais objetivos do banco central americano.

“Eu ouço muito isso em termos do trabalho que estamos fazendo no Fed de Atlanta, sobre essas questões que o Fed não pode resolver”, disse Bostic como parte de um painel virtual organizado pela Associação Americana de Economia. “Isso é verdade - o Fed não pode resolvê-los. Mas, se não falarmos sobre eles, essas restrições à execução bem-sucedida de nossa economia, seu crescimento e inovação não acontecerão”.

Integrante do partido no Comitê Bancário, tem criticado duramente o que ele chama de “aumento da missão” no Fed em questões como clima e justiça racial. Eles conclamaram o Fed e seus presidentes regionais a seguirem uma “missão estatutária restrita” focada no máximo emprego e preços estáveis.

“Alguém precisa falar sobre isso”, disse Bostic no painel. “Nossa instituição tem isso como nossa competência. Então, queremos falar sobre todas as barreiras. Essas são barreiras e é importante pensar a respeito”.

Os obstáculos ao sucesso econômico são parte do enfoque mais amplo do Fed no pleno emprego, disse Bostic.

“Esta é uma questão econômica”, disse ele, e afeta diretamente a produtividade da economia. “Precisamos falar sobre isso.”

Bostic não comentou sobre as perspectivas econômicas ou a política monetária durante o painel.

Grande parte do webinar focou na falta de ensino de questões que tratam da diversidade e inclusão econômica nas aulas de economia da faculdade. A maioria dos professores americanos nem menciona os problemas, de acordo com pesquisas citadas pelos participantes do painel.

Bostic, ex-professor de economia da Universidade do Sul da Califórnia, abriu novos caminhos ao se tornar o primeiro líder negro de um dos 12 bancos regionais do Fed na história do banco, que remonta a 1913. Durante sua gestão, defende políticas econômicas mais inclusivas e esforços para combater o racismo sistêmico.