Programa irá medir o impacto social das empresas

Para fazer a análise, a instituição lançou a primeira métrica de avaliação sobre as ações sociais dentro do conceito ESG
Empresas: o IOK vai medir seu desempenho em relação às práticas de inclusão social (Eva-Katalin/Getty Images)
Empresas: o IOK vai medir seu desempenho em relação às práticas de inclusão social (Eva-Katalin/Getty Images)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 10/06/2022 às 14:49.

Última atualização em 10/06/2022 às 14:55.

O Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural (IOK) vai medir o desempenho das empresas em relação às práticas de inclusão social. Para fazer a análise, a instituição lançou a primeira métrica de avaliação sobre as ações sociais dentro do conceito ESG (sigla em inglês para as áreas ambiental, social e de governança). Ou seja: a ideia é ter uma regra para definir o alcance do “S” do ESG.

Com a validação do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), o selo Escala Cidadã Olga Kos terá cinco níveis e levará em conta 20 indicadores e 37 requisitos de avaliação, que buscam entender quanto uma empresa é inclusiva para todos os tipos de diferenças, como gênero, idade, deficiência, etnia, religião, nacionalidade e orientação sexual, entre outros.

“Nos outros tópicos da sigla ESG já existem métricas claras, mas quando nós olhamos para o social ainda não temos nada parecido no País”, afirma a responsável pelo departamento de pesquisa do Instituto, Natália Monaco.

O presidente do instituto, Wolf Kos, explica que o processo de desenvolvimento da métrica agora lançada começou há pelo menos dez anos e se deu pela dificuldade de entender e classificar se uma empresa tem boas práticas no tema.

Receba gratuitamente a newsletter da EXAME sobre ESG. Inscreva-se aqui

Monitoramento

A análise do desempenho será feita por meio da identificação, monitoramento e avaliação de como são as práticas de inclusão dentro das companhias, além de tentar identificar as principais barreiras para que esse projeto seja desenvolvido internamente. “Essa escala não é punitivista, é uma escala de orientação às empresas”, comenta Kos.

Ainda segundo o presidente do instituto, além da certificação às empresas, a expectativa é construir uma base de dados que possa colaborar com a criação e aperfeiçoamento de políticas públicas voltadas para a inclusão de pessoas com deficiência (PCDs) no mercado de trabalho, que é o foco principal do Instituto Olga Kos.

Na última quarta-feira, 1º de junho, o Inmetro formalizou a viabilidade do projeto. A partir de agora, as certificadoras que desejarem poderão oferecer este serviço às organizações interessadas em receber o Selo Olga Kos. As solicitações poderão ser feitas no site do Inmetro, por meio da Coordenação Geral de Acreditação (Cgcre) da entidade.

(Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM:

Favela Global: em Davos, um plano para expandir a CUFA internacionalmente

ESG é moda? Para além do ativismo, sigla abre portas para carreira em instituições bilionárias