Empresas do setor financeiro listadas na B3 ampliam metas de ambientais

Os dados da pesquisa revelam ainda que os endereçamentos destinados à biodiversidade são os que mais cresceram entre as empresas do financeiro listadas na B3, com 14% das empresas estabelecendo compromissos nessa área
 (Eduardo Frazão/Exame)
(Eduardo Frazão/Exame)
M
Marina FilippePublicado em 25/06/2022 às 09:00.

Dando continuidade ao primeiro levantamento feito em 2021, a consultoria Luvi One, em parceria com a fintech arara.io, realizou um novo estudo esse ano. Os resultados mostram que houve avanços na agenda ESG no setor financeiro brasileiro, com mais empresas assumindo compromissos de impacto ambiental.

Receba gratuitamente a newsletter da EXAME sobre ESG. Inscreva-se aqui

De acordo com os dados apurados em 2021, 21% das empresas do setor financeiro tinham metas genéricas de redução de impacto ambiental. Esse percentual subiu para 35% em 2022, o que representa um aumento de 85% no número de companhias com metas ambientais.

O levantamento Luvi One/arara.io analisou, em 2022, 69 empresas do setor financeiro nas áreas de serviços financeiros diversos (10), intermediários financeiros (23), exploração de imóveis (18), previdência e seguros (7), securitizadoras de recebíveis (9) e holdings diversificadas (2).

Já em 2021, foram avaliadas 62 empresas, sendo: serviços financeiros diversos (7), intermediários financeiros (21), exploração de imóveis (16), previdência e seguros (7), securitizadoras de recebíveis (9) e holdings diversificadas (2).

Os dados da pesquisa revelam ainda que os endereçamentos destinados à biodiversidade são os que mais cresceram entre as empresas do financeiro listadas na B3, com 14% das empresas estabelecendo compromissos nesse ramo.

Ano passado, apenas 3% das companhias relataram esse objetivo em suas metas genéricas, o que representa um aumento de 400% no número de companhias com metas de biodiversidade.

No ramo da redução de emissões, o crescimento também foi considerável. Em 2021, 16% de empresas possuíam essa meta, já em 2022 esse número passou para 29%.

“Podemos ver um engajamento crescente do mercado financeiro, em linha com exigências crescentes dos reguladores e dos investidores por maior transparência, posicionamento e endereçamento das questões climáticas das próprias instituições, de seus clientes e respectivos portfolios. No entanto, ainda existe um longo espaço para avanços.”, diz Felipe Gutterres, diretor da Luvi One e coordenador do levantamento.

Ao detalhar os dados relacionados ao impacto ambiental no setor financeiro, o estudo de 2022 revela ainda que:

  • 33% das empresas apresentam metas de diversidade.
  • 29% das empresas apresentam metas de redução de emissão.
  • 26% das empresas apresentam metas de água.
  • 14% das empresas apresentam metas de biodiversidade.
  • 33% das empresas apresentam metas de energia.
  • 29% das empresas apresentam metas de resíduos.

Leia também