ESG

Apoio:

logo_suvinil_500x252
Logo TIM__313x500
logo_unipar_500x313
logo_espro_500x313
logo_engie_500X252

Parceiro institucional:

logo_pacto-global_100x50

Com nuggets de legumes e asinhas de couve-flor, Sadia e PlantPlus buscam o mercado flexitariano

Marcas da BRF e da Marfrig irão compartilhar esforços comerciais em um mercado estimado de 30 bilhões de dólares

Fábrica da BRF: nova investida no setor plant-based ao unir marca Sadia Veg&Tal com PlantPlus Food (Germano Lüders/Exame)

Fábrica da BRF: nova investida no setor plant-based ao unir marca Sadia Veg&Tal com PlantPlus Food (Germano Lüders/Exame)

Fernanda Bastos
Fernanda Bastos

Repórter de ESG

Publicado em 12 de maio de 2023 às 14h20.

Última atualização em 15 de maio de 2023 às 18h37.

A BRF, empresa do ramo de alimentos responsável por marcas como Perdigão, Qualy e Sadia, anuncia nesta sexta-feira, 12, parceria com a PlantPlus Foods, companhia alimentícia de tecnologia voltada para o setor à base de plantas, criada pela Marfrig e a empresa americana ADM. “Vemos uma demanda e pensamos em trazer essa proteína alternativa para o consumidor através de um portfólio mais completo”, disse o Marcel Sacco, VP de Novos Negócios da BRF à imprensa. 

A partir da parceria, a BRF pretende reposicionar o seu portfólio da linha Sadia Veg&Tal, com foco para produtos vegetais, enquanto a PlantPlus Food oferece produtos análogos à carne, ou seja, que são feitos de vegetais mas buscam emular as características de produtos de proteína animal. A parceria será apresentada na APAS Show 2023, evento dedicado ao varejo brasileiro, dos dias 15 a 18 de maio. “A ideia é oferecer ao varejo e ao food service uma linha mais completa da categoria de plant based”, afirmou John Pinto, CEO da PlantPlus Food.

Além disso, com a sinergia entre as duas marcas, a PlantPlus Foods, anteriormente vendida pelo time comercial da Marfrig, contará com a estrutura logística e comercial da BRF. Sadia e PlantPlus Food agora fazem parte do mesmo ecossistema. Haverá, ainda, a criação de alguns produtos sob nova nomenclatura: Sadia em parceria com PlantPlus Foods – como é o caso do Hot Pocket Burger Veggie e do Nuggets proteína vegetal. 

Variedade de produtos

“Com a parceria queremos aumentar a disponibilidade de produtos de maneira acessível aos consumidores, oferecendo inovação no setor, que tem a ver com variedade de produtos e sabores”, afirmou Sacco. O executivo comentou que, ao observar o setor de produtos à base de plantas, conhecidos também como plant-based, as tendências observadas são: aprimorar os sabores, além de trazer variedade – como é o caso da manteiga plant-based e non-dairy da Becel.  

Desde 2020, a Sadia trabalha com a linha Veg&Tal, mas, por conta das novas tendências de consumo, a marca tem buscado aprimorar os produtos oferecidos. Serão lançados alguns novos produtos como a couve-flor wings, hambúrgueres de abóbora e grão de bico e nuggets de legumes – além da expansão dos itens in natura. A couve-flor empanada, e dois nuggets oferecidos, o Nuggets de legumes Sadia Veg&Tal e o Nuggets de proteína vegetal Sadia já serão lançados neutralizando carbono, desde os insumos, passando por comercialização e descarte. Essa é uma investida da BRF, que tem como meta ser net zero até 2040. 

O mercado plant-based

Sobre as perspectivas para o futuro do setor, os executivos se mostram otimistas. “A categoria que atuamos oferece uma série de oportunidades. Vemos um crescimento exponencial nos próximos dez anos, uma projeção PlantPlus Foods-ADM afirma que o mercado global movimentará 30 bilhões de dólares em 2023 no setor plant-based”, afirmou Pinto. O executivo explicou que outra pesquisa diz que 8 em cada 10 pesquisados mais jovens não só experimentaram como procuram, com mais frequência, produtos análogos à carne. 

Outro objetivo da parceria é poder dar a escala da BRF aos produtos oferecidos. “Estamos entendendo a migração do mercado”, afirmou Sacco sobre o aumento dos consumidores flexitarianos – aqueles buscam diminuir o consumo de carne no dia-a-dia.“O food service pode criar hábitos, o consumidor aprende com a gente e se educa. O mercado está se modernizando, existem ambições crescentes e precisamos ampliar as nossas.”

Acompanhe tudo sobre:SustentabilidadeBRFSadia

Mais de ESG

Indústria eólica dos EUA busca aprendizes sem medo para atender crescimento do setor

Como R$ 60 bilhões em investimentos em transmissão ajudam na transição energética do Brasil

Vivo amplia investimento em equidade racial com apoio a festival

Queimadas: alta de 54% antecipa período crítico, alerta pesquisa

Mais na Exame