Esfera Brasil

Um conteúdo Esfera Brasil

BNDES monta escritório em Porto Alegre para apoio a empresários gaúchos

Banco prorrogou por 12 meses os financiamentos para clientes de cidades atingidas pelas inundações

Banco também disponibilizou mais de R$ 500 milhões em garantias destinadas a micro, pequenas e médias empresas. (Miguel Ângelo/CNI/Flickr/Divulgação)

Banco também disponibilizou mais de R$ 500 milhões em garantias destinadas a micro, pequenas e médias empresas. (Miguel Ângelo/CNI/Flickr/Divulgação)

Esfera Brasil
Esfera Brasil

Plataforma de conteúdo

Publicado em 20 de junho de 2024 às 13h59.

Tudo sobreEnchentes no RS
Saiba mais

Como forma de apoiar os empresários gaúchos atingidos pelas inundações em decorrência das chuvas no Sul do País, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) abriu um escritório na sede do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre.

O posto avançado no Rio Grande do Sul segue em funcionamento com atendimento direcionado exclusivamente a entidades e associações empresariais, sindicatos e prefeituras. Durante as últimas semanas, equipes do banco se reuniram com entidades como a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, Sindicato de Hospedagem e Alimentação de Porto Alegre e Região, Sindicato da Indústria de Laticínios, Associação das Indústrias de Móveis do Estado, Associação Brasileira das Indústrias de Calçados, Sindicato das Indústrias de Máquinas Agrícolas.

Segundo o banco, foram disponibilizados R$ 15 bilhões em recursos do Fundo Social do Pré-Sal para regiões do estado atingidas pelas enchentes e que tiveram calamidade pública decretada pelo governo. Todas as linhas de financiamento do BNDES estão disponíveis para os empresários da região, e a previsão é que o escritório na capital gaúcha funcione até 28 de junho.

Maioria dos empresários depende de crédito

Pesquisa do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e do governo do Rio Grande do Sul apontam que 80% dos empresários precisam de crédito para a retomada dos negócios. No levantamento, foram ouvidos representantes de 14 mil empresas. Acesso a crédito, postergação de impostos e renegociação de dívidas são as três necessidades mais urgentes apontadas pelos empresários.

O BNDES também prorrogou por 12 meses os financiamentos para clientes de cidades atingidas pelas inundações. Isso representa um volume de R$ 7,7 bilhões em prestações, e mais de 227 mil contratos de empréstimos. Para ampliar acesso ao crédito, o banco disponibilizou mais de R$ 500 milhões em garantias destinadas a micro, pequenas e médias empresas, no âmbito do Programa Emergencial de Acesso a Crédito para novos financiamentos, o que tem potencial de viabilizar até R$ 5 bilhões em crédito.

Número de mortos chega a 177

Mais de um mês depois das cheias que atingiram o Rio Grande do Sul, as cidades gaúchas ainda tentam recuperar a infraestrutura ao mesmo tempo em que contabilizam os prejuízos causados pela tragédia. Na quarta-feira, 19, uma forte chuva provocou alagamentos em Porto Alegre, em bairros da Zona Norte, como São Geraldo e Humaitá. No último fim de semana, uma tempestade na cidade de São Luiz Gonzaga deixou 400 pessoas desalojadas e uma ferida.

Na terça-feira, 18, a Defesa Civil informou que o número de mortos em decorrência da tragédia provocada pelas tempestades do fim de abril chegou a 177. Em todo o estado, 10 mil pessoas permanecem em abrigos; 37 pessoas seguem desaparecidas.

Acompanhe tudo sobre:BNDESacordos-empresariaisPré-salSebraeRio Grande do SulEnchentes no RS

Mais de Esfera Brasil

Educação financeira é alternativa para combater superendividamento

Projeto dá preferência a carros movidos a biocombustíveis e hidrogênio verde em compras públicas

Além do carbono: rumo à natureza positiva

Presidente italiano visita centro humanitário no RS: ‘Temos muita coisa em comum’

Mais na Exame