• AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
  • AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
Abra sua conta no BTG

'Reforma tributária é fundamental', diz presidente da CNI

"A aceleração do crescimento deste ano tem que ser permanente durante mais alguns anos. Para o Brasil não ter crescimento pífio de 0,1%, como nos últimos anos", diz Robson Andrade, presidente da CNI
 (Agência Brasil/Marcelo Camargo)
(Agência Brasil/Marcelo Camargo)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 22/07/2021 15:17 | Última atualização em 22/07/2021 17:36Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Enquanto setores empresariais criticam a proposta de reforma tributária, defendendo que a prioridade seja dada à reforma administrativa, o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, classificou como "fundamental" a aprovação de mudanças na forma como o governo recolhe impostos para o Brasil crescer a um ritmo de 5% ao ano.

Diante do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do deputado Celso Sabino (PSDB), relator da reforma do Imposto de Renda, Andrade destacou o consenso tanto do Congresso como entre governadores sobre a necessidade de alterar o sistema ao defender uma reforma tributária ampla, que englobe impostos federais, estaduais e municipais.

"A aceleração do crescimento deste ano tem que ser permanente durante mais alguns anos. Para o Brasil não ter crescimento pífio de 0,1%, como nos últimos anos, e cresça entre 4% e 5% ao ano para recuperar décadas perdidas, a reforma tributária é fundamental", disse o presidente da CNI durante live promovida pela entidade da indústria junto com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Segundo Andrade, sem reforma adequada e ampla, as empresas não terão ambiente adequado para se desenvolverem e competirem no mercado internacional. O presidente da CNI considerou ainda que a carga tributária é mal distribuída, com setores que pagam menos impostos, enquanto a indústria, por ser um setor mais organizado e fiscalizado, perde "quantidade imensa" de horas para calcular tributos.

Segundo ele, a reforma ampla seria uma forma de desonerar empresas na competição internacional, já que hoje a indústria carrega uma "carga perversa" e 6% de impostos ficam "escondidos" nas exportações. "A indústria hoje paga 33% dos impostos federais e mais de 40% dos estaduais", comentou o presidente da CNI. Durante o evento, Andrade ressaltou também que a indústria deve crescer 7% neste ano.

  • Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso.