Economia

Profissional com mais de 60 anos recorre ao empreendedorismo para voltar ao mercado

Envelhecimento da população mais rápido que o previsto e necessidade de complementar renda abrem janela de oportunidade

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 10 de junho de 2024 às 11h45.

Última atualização em 10 de junho de 2024 às 11h54.

O Brasil envelheceu mais rapidamente do que os especialistas previam, como mostrou o último Censo. Isso significa que a mão de obra mais jovem está diminuindo, o que abre uma janela de oportunidade para a geração de 60 anos para cima voltar ao mercado de trabalho e empreender.

"É a revolução da longevidade. São 172 mil empreendedores com mais de 64 anos no estado, mais concentrados nos serviços (55%) e comércio (21%). E parte relevante tem ensino superior, 37%, o que também explica o rendimento maior, acima de cinco salários mínimos", afirma Juliana Lima, analista do Sebrae Rio.

Mas a taxa de desemprego subiu nessa faixa etária. Apesar de ser bem mais baixa que a média — 3,2% contra 7,7% — somente 1,7% dessa força de trabalho procurava trabalho em 2012.

" O preconceito ainda existe, embora tenha reduzido. O que pesa muito hoje é a qualificação. E há vagas que demandam experiência, maturidade, o que pode ajudar a se recolocar", afirma Paulo Sardinha, presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH- Brasil).

A adaptação aos novos mercados vem garantindo a sobrevivência da empresa Mycroarq, do casal Sidneida e Almir Veras. Ela com 64 anos e ele com 69 anos. Tudo começou em Itaipu, onde Veras chefiava o centro de documentação, era arquivista. Com a mudança do escritório da usina do Rio para o Paraná, Almir Veras preferiu ficar no Rio e, assim, começou a empresa do casal. No princípio, eles ofereciam organização de documentos e microfilmagem. Mas o mercado mudou rapidamente.

"Tivemos muitos altos e baixos. Foi difícil. Com a tendência de mudança de analógico para o digital, mudamos o foco da microfilmagem. E partimos para digitalização. Minha mulher se especializou em TI. Eu ficava com a parte prática da documentação, e ela com os sistemas, contou Almir Veras.

Aposentadoria não está nos planos do casal. Atualmente, a microempresa fatura entre R$ 600 mil e R$ 1 milhão por ano.

Ter domínio da atividade que pretende investir é fundamental para ter sucesso no empreendimento. Uma alternativa para quem está acima de 60 anos e precisa de recolocar no mercado, na avaliação de Sardinha, "empreendedorismo por falta de alternativa eleva o risco do fracasso. Pessoas seniores são muito bem-vistas. É importante ter uma rede de networking e mostrar-se atualizado".

Sardinha aconselha a ouvir a experiência de outros empreendedores, como os obstáculos e como conhecer bem a legislação do setor que pretende empreender. "Aprender com erro é melhor quando o erro é dos outros. Nesse momento em que se está empreendendo, não se pode ficar fazendo tentativas, pode custar caro".

Juliana, do Sebrae, lembra da importância de se preparar para gestão ao abrir um negócio que normalmente leva as economias de uma vida. "Às vezes, a pessoa tem muito conhecimento de uma atividade, em função do emprego anterior, mas não tem conhecimento como gestor de negócio, não faz um planejamento adequado".

Acompanhe tudo sobre:EconomiaTerceira idadeEmpreendedorismoempreendedorismo-feminino

Mais de Economia

Haddad: É preciso dar crédito à Receita para explicar MP que restringe compensação de PIS/Cofins

Etanol fica mais caro em 11 estados brasileiros, mas cai em outros 8, diz ANP

Devemos ser cautelosos em relação a futuros ajustes de juros, diz BCE

Boletim Focus: mercado eleva novamente projeções do IPCA de 2024 e 2025

Mais na Exame