Nova presidente da Caixa assume cargo e diz que vai apurar com rigor denúncias de assédio

Ao assumir a Caixa, Daniella será a única mulher a presidir, na atualidade, um dos cinco maiores bancos brasileiros
Daniella Marques Consentino: executiva estava no Ministério da Economia. (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Daniella Marques Consentino: executiva estava no Ministério da Economia. (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
D
Da redação, com agênciasPublicado em 05/07/2022 às 06:00.

A economista Daniella Marques Consentino assume, nesta terça-feira, 5, o cargo de nova presidente da Caixa Econômica Federal. Está marcada uma cerimônia no Palácio do Planalto. A nova executiva do banco público teve seu nome aprovado na sexta-feira, 1º de julho, pelo Comitê de Elegibilidade da instituição e assinou o termo de posse.

Ex-secretária especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, Daniella Consentino substituirá Pedro Guimarães, que pediu demissão na semana passada, após denúncias de assédio sexual que estão sendo investigadas pelo Ministério Público Federal e pelo Ministério Público do Trabalho. Ele negou as acusações na carta de renúncia.

A nova presidente da Caixa disse que o banco vai apurar com rigor as denúncias de assédio sexual feitas contra antigos dirigentes. Segundo ela, as punições necessárias serão levadas a cabo. A executiva afirmou ainda que já se reuniu com o alto comando da instituição e que a primeira decisão foi afastar pessoas envolvidas nas investigações, para proteger a imagem do banco.

"Asseguro: será tudo feito com independência, com rigor, com seriedade, e se realmente for comprovado, todas as punições que são cabíveis serão feitas", disse, durante entrevista transmitida neste domingo, 3, pela TV Record.

Assim que assinou o termo de posse, a nova presidente fez uma primeira reunião. "Definimos um plano de ação, tomamos uma série de decisões. O primeiro passo foi o afastamento de outras pessoas que possam estar, que estão envolvidas nas apurações, porque a gente precisa proteger agora a imagem da instituição." Ela não citou nomes.

Além de Guimarães, o vice-presidente de atacado Celso Barbosa deixou a Caixa na sexta. Ele era o "número dois" do banco durante a gestão do ex-presidente.

VEJA TAMBÉM: Após estados reduzirem ICMS, quando o preço da gasolina vai cair na bomba?

Daniella disse que o assunto é "para já". "Metade das mulheres do Brasil são vítimas de assédio no trabalho, então a Caixa, que sempre foi o banco de todos os brasileiros, daqui para frente, e eu tenho aprovação de todos os órgãos internos, vai ser a mãe da causa das mulheres", pontuou.

Ao assumir a Caixa, Daniella será a única mulher a presidir, na atualidade, um dos cinco maiores bancos brasileiros.

A nova presidente da Caixa sinalizou ainda que o banco prosseguirá com a estratégia de microcrédito iniciada na gestão anterior. "A gente tem que apoiar na capacitação e no crédito, já vinham rodando iniciativas de microcrédito. Existe agora a renovação do fundo garantidor da União para alavancar R$ 90 bilhões em crédito para micro e pequenas empresas e pela primeira vez, para micro e pequenos empreendedores individuais", disse.

(Com Estadão Conteúdo e Agência Brasil)

VEJA TAMBÉM