Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Modelo de recuperação da UE deixará bloco um ano atrás dos EUA

Enquanto o projeto americano foca no curto prazo, o europeu planeja o aumento a produtividade e o potencial de crescimento dos próximos anos

Enquanto os Estados Unidos miram um enorme pacote de estímulo para acelerar a recuperação após o impacto da crise de coronavírus, grande parte da Europa avança pela faixa mais lenta. O projeto de estímulo de US$ 1,9 trilhão do presidente Joe Biden, caso os líderes do Congresso aprovarem o valor total, seria mais do que o triplo dos gastos planejados por países da zona do euro, de acordo com o UniCredit.

Como consequência, a maioria dos economistas espera que o PIB dos EUA corresponda ao tamanho pré-pandemia em meados de 2021, aproximadamente um ano antes do bloco. O JPMorgan Chase estima que o impulso fiscal - o empurrão dos gastos discricionários do governo menos o peso do fim de incentivos fiscais e medidas de apoio - adicionará 1,8% ao PIB dos EUA neste ano. Para a zona do euro, esse fator deve subtrair 0,1% da economia.

A lentidão da Europa é em parte resultado de sua composição. Os 27 governos soberanos da União Europeia definiram suas próprias políticas fiscais e levaram meses de negociações no ano passado para chegar a um acordo sobre um fundo de recuperação comum de 750 bilhões de euros (US$ 910 bilhões). As propostas de como gastar o dinheiro ainda estão sendo processadas, e os fundos provavelmente não começarão a ser distribuídos antes do segundo semestre.

Essa consideração cuidadosa tem seus benefícios. Se der certo, a UE terá um conjunto bem estruturado de projetos que aumentam a produtividade e o potencial de crescimento nos próximos anos. Se der errado, porém, o continente pode ficar arruinado por muito tempo.

A questão é o que queremos alcançar. Queremos esse ímpeto de curto prazo ou queremos usar o dinheiro para melhorar a estrutura da economia de forma sustentável? Na Europa, precisamos desse último.

Carsten Brzeski, economista do ING Germany

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também