• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

Meirelles defende privatizar BB e diz que já discutiu assunto com Doria

Ex-ministro da Fazenda Meirelles disse que não faz sentido o governo federal manter duas grandes instituições financeiras nos portes de Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal
 (Flickr/Governo do Estado de São Paulo)
(Flickr/Governo do Estado de São Paulo)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 19/04/2022 16:29 | Última atualização em 19/04/2022 16:29Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles defendeu nesta terça-feira, 19, a privatização do Banco do Brasil e acrescentou que já chegou a discutir o assunto com o ex-governador de São Paulo e atual pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB João Doria.

Meirelles, que participou de webinar organizada pela CM Capital, disse que não faz sentido o governo federal manter duas grandes instituições financeiras nos portes de Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal.

Quer saber tudo sobre a corrida eleitoral de 2022? Assine a EXAME e fique por dentro.

Ainda de acordo com o ex-ministro, que no começo deste mês deixou o cargo de secretário de Fazenda do Estado de São Paulo para poder concorrer a algum cargo eletivo, sinalizou que privatizar o BB seria mais fácil por se tratar de uma instituição que tem grande quantidade de ações espalhadas pelo mercado.

"Não faz sentido o governo federal ter duas grandes instituições financeiras", disse o ex-ministro durante sua apresentação.

Meirelles também defendeu a privatização do que ele chamou de "as grandes estrelas", como a Eletrobras, por exemplo.

Segundo Meirelles, num cenário em que o Banco do Brasil fosse privatizado, a Caixa Econômica Federal seria levada a focar suas atividades em ações sociais.

Ele defendeu que um governo eleito com a força popular sempre reúne condições de no primeiro ano de governo discutir programas consistentes de reformas e privatizações com o Congresso.

Sobre Lula e Bolsonaro

Meirelles disse não ver nos dois candidatos que lideram as intenções de votos (ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente Jair Bolsonaro) disposição clara por reformas.

Com relação ao petista, Meirelles disse que ninguém sabe exatamente qual Lula, caso seja eleito, será o presidente do Brasil; se o do primeiro mandato petista, o do segundo ou o que se viu durante o mandato de sua sucessora, Dilma Rousseff.

"Na verdade nem o próprio Lula sabe como ele será à frente da Presidência da República", disse o ex-ministro que presidiu o Banco Central na gestão do petista.

Para Meirelles, apesar de Lula ter falado para correligionários que pretende desmontar as travas fiscais, como o teto de gastos, por exemplo, não é de se duvidar que, depois de eleito Lula, assuma uma postura séria em prol de uma política fiscal austera.

"Ele já fez isso", disse Meirelles acrescentando que, com relação a Bolsonaro, caso seja reeleito, é preciso ver se ele vai realmente passar a governar.

Inflação

Meirelles falou ainda sobre a inflação, que carrega muito do aumento dos preços das commodities, embora o câmbio tenha mostrado alguma apreciação, como ocorreu durante sua gestão à frente do Banco Central.

Naquele momento, disse Meirelles, o BC tinha como um de seus focos controlar o câmbio e, por isso, passou a comprar dólares e a reforçar as reservas cambiais.