• AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

Inflação sobe 0,87% em agosto, maior alta desde 2000

O IBGE divulgou nesta quinta-feira, 9, a variação do IPCA em agosto. Inflação no ano deve ser a maior desde 2015
Energia: crise hídrica tem feito o preço da energia elétrica subir no Brasil e impulsionado a inflação (Agência Brasil/Marcelo Camargo)
Energia: crise hídrica tem feito o preço da energia elétrica subir no Brasil e impulsionado a inflação (Agência Brasil/Marcelo Camargo)
Por Carolina RiveiraPublicado em 09/09/2021 09:04 | Última atualização em 09/09/2021 11:13Tempo de Leitura: 6 min de leitura

Da crise hídrica ao preço dos alimentos, a inflação no Brasil segue sem dar trégua. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou em alta de 0,87% em agosto, a maior variação para um mês de agosto desde 2000.

O índice foi divulgado nesta quinta-feira, 9, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O IPCA ficou acima das expectativas dos analistas no Boletim Focus, do Banco Central, cuja última mediana apontava alta de 0,67% em agosto.

Com o resultado, o índice acumula crescimento de 9,68% nos últimos 12 meses, superando o acumulado de 8,99% registrado até julho.

A expectativa dos analistas é que o IPCA de fato feche o ano próximo dos 8%, o que seria a inflação mais alta desde 2015.

No ano, de janeiro ao fim de agosto, a alta já é de 5,67%.

Em julho, o IPCA havia ficado em 0,96%, também a maior variação para o mês desde 2002.

Mesmo com só oito meses do ano contabilizados, o IPCA já mostra que superará com folga a meta prevista para 2021 pelo Banco Central.

O centro da meta era de 3,75%, com tolerância de 1,5 ponto para mais ou para menos (ou seja, com máximo de 5,25%).

A atual projeção dos analistas ouvidos na última edição do Focus, publicado na segunda-feira, 6, é de que o IPCA feche o ano em alta de 7,58%. 

As projeções só pioram a cada nova revisão: há quatro semanas, a aposta era de IPCA a 6,88%. No começo do ano, era de pouco mais de 3%. Só neste ano, foram 21 revisões para cima do IPCA.

Para 2022, a mediana do Focus projeta IPCA em 3,98%.

Preços que mais subiram

Oito dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados no IPCA subiram em agosto. A maior alta veio dos transportes (1,46%), puxado por itens como o preço da gasolina, que subiu 2,8% na média nacional do IPCA — e chegou a sete reais em alguns estados.

De janeiro a agosto, a gasolina acumula alta no IPCA de 31%, o etanol, de 41%, e o diesel, de 28%.

Variação nos grupos do IPCA em agosto

  • Índice Geral 0,87%
  • Transportes 1,46%
  • Alimentação e Bebidas 1,39%
  • Artigos de Residência 0,99%
  • Vestuário 1,02%
  • Habitação 0,68%
  • Saúde e Cuidados Pessoais -0,04%
  • Despesas Pessoais 0,64%
  • Educação 0,28%
  • Comunicação 0,23%

No geral, fatores como o dólar alto, alta nas exportações, preço do petróleo no exterior e a crise hídrica que afeta o preço da energia elétrica estão entre as principais frentes que têm elevado a inflação no Brasil desde o ano passado.

“O preço da gasolina é influenciado pelos reajustes aplicados nas refinarias de acordo com a política de preços da Petrobras. O dólar, os preços no mercado internacional e o encarecimento dos biocombustíveis são fatores que influenciam os custos, o que acaba sendo repassado ao consumidor final”, disse em nota o analista de pesquisa do IBGE, André Filipe Guedes Almeida.

Alguma inflação é esperada em todo o mundo devido à retomada econômica, que impulsiona a demanda. Mas o Brasil vive um cenário complexo, com inflação galopante apesar do desemprego ainda muito alto, acima de 14%.

Como a EXAME mostrou, a renda do brasileiro não tem conseguido acompanhar a alta dos preços. O salário mínimo proposto pelo governo federal para 2022, de 1.169 reais, também deve ficar abaixo da inflação, com reajuste de 6,2%.

As projeções para a inflação seguem subindo ainda que a perspectiva para a economia tenham piorado.

A projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2022 já fica abaixo de 1,5% em várias casas de análise, e alguns economistas começam a apostar até mesmo na possibilidade de recessão no ano que vem.

Dólar e energia, vilões dos preços

A crise hídrica que o Brasil vive neste inverno tem feito decolar os preços da energia elétrica, uma das principais altas no ano.

Além das altas até aqui, a Aneel anunciou uma bandeira tarifária de escassez hídrica no valor de 14,20 reais cobrados a mais a cada 100 quilowatts-hora consumidos, que começa a valer neste mês de setembro.

O risco de apagão também cresce devido à dependência brasileira das hidrelétricas, que respondem por mais de 60% da matriz.

"Estimamos que o risco de racionamento de energia elétrica aumentou, e revisamos essa probabilidade de 5% para 10%. O principal risco para o cenário energético no próximo ano é uma nova temporada de chuva (novembro a março) com precipitação abaixo da média histórica", escreveram analistas do banco Itaú em relatório na semana passada.

Na outra ponta, o dólar segue também como um dos principais responsáveis pela inflação no momento, e a projeção dos analistas é que continue no patamar dos 5 reais no resto do ano.

A moeda americana fechou a quarta-feira, 8, em alta de 2,89%, a 5,32 reais, puxada pelo risco político após os atos do presidente Jair Bolsonaro em 7 de setembro. O risco político segue sendo um dos principais catalisadores da alta do dólar.

A taxa Selic está em 5,25% no momento, mas novas altas já são dadas como certas, com projeção de que a taxa de juros feche o ano beirando os 8%.

Uma sinalização de alta de juros no Brasil pode atrair maior fluxo de dólares devido aos maiores retornos, e reduzir a desvalorização do real. Na quarta-feira, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse que a instituição agirá para controlar a inflação.

Os analistas do banco BTG Pactual digital apostam que o câmbio feche o ano em 5 reais, com projeções variando entre 4,80 (em uma projeção otimista) e 5,40, mas ressaltam que a avaliação pode mudar a depender dos desdobramentos.

"No âmbito doméstico, a existência de um cenário hídrico adverso e de uma inflação de serviços persistente, e perigosa, é indiscutível entre os economistas, que esperam que o comitê de política monetária do BCB [Banco Central] faça um comunicado mais firme no encontro deste mês, em busca de acomodar as expectativas para a inflação de 2022", escreveram em relatório na quarta-feira, 8.

Além do impacto nos custos de produção nas cadeias que dependem de insumos importados - do pãozinho feito com trigo importado aos insumos usadas no campo -, o dólar estimula a exportação de produtos e, consequentemente, redução da oferta interna.

  • Juros, dólar, inflação, BC, Selic. Entenda todos os termos da economia e como eles afetam o seu bolso. Assine a EXAME.