Acompanhe:

Brasil tem deflação de 0,29% em setembro no IPCA e acumulado cai para 7,17%

Com deflação pelo terceiro mês seguido, IPCA acumulado chegou a 7,17%

Modo escuro

Continua após a publicidade
Inflação: acumulado foi a 7,17% (Leandro Fonseca/Exame)

Inflação: acumulado foi a 7,17% (Leandro Fonseca/Exame)

C
Carolina Riveira

Publicado em 11 de outubro de 2022 às, 09h03.

Última atualização em 11 de outubro de 2022 às, 11h03.

A inflação no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), principal índice inflacionário brasileiro, fechou o mês de setembro com queda de 0,29%. O resultado foi divulgado nesta terça-feira, 11, pelo IBGE.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta

  • No acumulado de 12 meses, a inflação ficou em 7,17%, frente a 8,73% no acumulado até agosto.
  • Nos nove meses deste ano ano até setembro, a alta acumulada é de 4,09%.

VEJA TAMBÉM: Prêmio Nobel de Economia vai para trio de economistas por trabalho sobre crises financeiras

O resultado de setembro representa pelo terceiro mês seguido uma deflação, quando há variação negativa no índice. Em agosto, a inflação já havia variado negativamente em 0,36% (veja no gráfico abaixo).

O resultado do IPCA veio levemente abaixo do consenso do mercado, que esperava deflação mensal de 0,33% e acumulado caindo para 7,12%, segundo consenso da Bloomberg.

Usualmente, uma deflação acontece quando a economia está desacelerada. Mas, no caso do Brasil, as quedas têm sido puxadas sobretudo pelas desonerações de insumos como combustíveis e energia elétrica, aprovadas no Congresso, além de preços menores do petróleo no mercado internacional. No caso dos alimentos, o fim da entressafra também beneficia algumas culturas, como o leite, ajudando a reduzir a pressão sobre os preços. 

VEJA TAMBÉM: Leite cai 14%, passagens aéreas sobem 8%: veja as maiores altas e baixas de preço em setembro

Em setembro, o maior impacto negativo sobre o IPCA veio novamente dos combustíveis, que tiveram queda de 8,50% no mês.

“Os combustíveis e, principalmente, a gasolina têm um peso muito grande dentro do IPCA”, disse em nota o gerente da pesquisa no IBGE, Pedro Kislanov. "Em julho, o efeito foi maior por conta da fixação da alíquota máxima de ICMS, mas, além disso, temos observado reduções no preço médio do combustível vendido para as distribuidoras, o que tem contribuído para a continuidade da queda dos preços." Com a queda no preço internacional, a Petrobras reduziu o preço da gasolina quatro vezes desde julho.

Os alimentos também caíram no mês (-0,51%) pela primeira vez desde novembro de 2021. 

O Brasil convivia com inflação de dois dígitos desde setembro do ano passado, com a inflação em um dos piores patamares desde o início do Plano Real. Com as quedas recentes, o país voltou a ter inflação em um dígito (veja no gráfico).

No boletim Focus desta semana, que reúne projeções dos principais bancos e casas de análise compilados pelo Banco Central, a estimativa é que o IPCA feche 2022 em 5,71%. Para 2023, a mediana das projeções no Focus ficou em 5,0%.

Gasolina segue caindo, leite dá trégua

Dos nove grupos pesquisados pelo IBGE, quatro tiveram queda no mês de setembro e os demais subiram. As principais altas vieram de "Habitação" (0,60%), "Vestuário" (1,77%) e "Despesas Pessoais" (0,95%).

Em Habitação, um dos destaques foi a alta na energia elétrica residencial, que subiu 0,78% no mês, após já ter subido 1,27% em agosto, em meio a reajustes na tarifa em algumas capitais.

Enquanto isso, a maior queda foi novamente no grupo "Transportes" (-1,98% em setembro, após outra queda de -3,37% em agosto), que inclui os combustíveis.

  • A gasolina caiu 8,33% no mês;
  • O etanol caiu 12,43%;
  • O óleo diesel caiu 4,57%;
  • O gás veicular caiu 0,23%.

A queda da gasolina, individualmente, exerceu o impacto negativo mais intenso (-0,42 p.p.) entre os subitens do IPCA, segundo o IBGE. 

VEJA TAMBÉM: Goldman e Morgan Stanley esperam temporada de balanços difícil nos EUA

Apesar do impacto maior no índice vir dos transportes, a maior queda absoluta no mês foi do grupo "Comunicação" (-2,08%), puxado por acesso à internet (-10,55%) e por telefonia, internet e tv por assinatura (-2,70%).

Enquanto isso, o principal destaque foi o grupo "Alimentação e bebidas", que passou de uma alta de 0,24% em agosto para queda de 0,51% em setembro, a primeira queda desde novembro de 2021.

  • A alimentação no domicílio caiu 0,86%, com destaque para queda no preço do leite longa vida, que caiu 13,71%.

Apesar da redução, o leite segue com alta acumulada de 39,6% em 12 meses. “O leite vinha subindo muito nos últimos 12 meses, especialmente em 2022, por conta do período de entressafra, a partir de março e abril, mas também por causa da guerra da Ucrânia, que aumentou muito o preço dos insumos agrícolas. Agora, com o final do período de entressafra e a volta das chuvas, aumentou a oferta do produto no mercado, o que gerou uma queda nos preços", disse Kislanov, do IBGE.

EXCLUSIVO: Michael Bloomberg fala à EXAME sobre guerra, ESG, favela e como acelerar as mudanças

  • Dentre os destaques, o óleo de soja caiu 6,27%; 
  • E nas altas, a cebola subiu 11,22%. 

A baixa internacional no preço das commodities que barateou os combustíveis também se aplica à soja. “No caso do óleo de soja, a explicação vem da redução do preço da soja no mercado internacional, que está caindo desde o final de junho”, disse Kislanov.

  • Ainda dentro do grupo de alimentos, a alimentação fora do domicílio seguiu subindo, com alta de 0,47%, mas desacelerou frente a agosto (quando havia subido 0,89%).

(Com Guilherme Guilherme)


Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta

Veja tudo sobre as eleições 2022 no YouTube da Exame

 

Últimas Notícias

Ver mais
Eventuais alterações na desoneração da folha serão feitas por projeto de lei, diz Pacheco
Economia

Eventuais alterações na desoneração da folha serão feitas por projeto de lei, diz Pacheco

Há 4 horas

Governo quer antecipar R$ 26 bi de aportes da privatização da Eletrobras para reduzir conta de luz
Economia

Governo quer antecipar R$ 26 bi de aportes da privatização da Eletrobras para reduzir conta de luz

Há 5 horas

Setores se unem em manifesto contra a reoneração da folha de pagamentos
Economia

Setores se unem em manifesto contra a reoneração da folha de pagamentos

Há 6 horas

Dirigente do BoE destaca inflação de serviços, mas fala em espaço para normalizar juros
Economia

Dirigente do BoE destaca inflação de serviços, mas fala em espaço para normalizar juros

Há 8 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais