Economia
Acompanhe:

Prêmio Nobel de Economia vai para trio de economistas por trabalho sobre crises financeiras

Segundo o comitê do prêmio, o trabalho do trio no início da década de 1980 “melhorou significativamente nossa compreensão do papel dos bancos na economia"

Este é o último prêmio Nobel a ser anunciado neste ano.  (Nobel/Reprodução)

Este é o último prêmio Nobel a ser anunciado neste ano.  (Nobel/Reprodução)

D
Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2022, 07h33.

Última atualização em 10 de outubro de 2022, 08h01.

Os economistas norte-americanos Ben Bernanke, Douglas Diamond e Philip Dybvig receberam o Prêmio Nobel de Ciências Econômicas de 2022 por suas pesquisas sobre bancos e crises financeiras.

Bernanke foi presidente do Federal Reserve de 2006 a 2014 e agora está no Brookings Institute em Washington, D.C. Diamond é professor da Booth School of Business da Universidade de Chicago, e Dybvig é professor da Olin Business School da Universidade de Washington em St. Louis.

Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

Segundo o comitê do Nobel, o trabalho do trio no início da década de 1980 “melhorou significativamente nossa compreensão do papel dos bancos na economia, particularmente durante crises financeiras”, e mostrou por que é vital evitar colapsos de bancos. Eles acrescentaram que isso era “inestimável” durante a crise financeira de 2008-09 e a pandemia de coronavírus.

O prêmio em dinheiro é de 10 milhões de coroas suecas (cerca de R$ 4,6 milhões), que serão entregues em 10 de dezembro.

Ao contrário dos outros prêmios Nobel, o de economia não foi estabelecido no testamento de Alfred Nobel de 1895, mas pelo banco central sueco em sua memória. O primeiro vencedor foi escolhido em 1969.

No ano passado, metade do prêmio foi para David Card por sua pesquisa sobre como o salário mínimo, a imigração e a educação afetam o mercado de trabalho. A outra metade foi compartilhada por Joshua Angrist e Guido Imbens por proporem como estudar questões que não se encaixam facilmente nos métodos científicos tradicionais.

Outros prêmios

Os anúncios do Prêmio Nobel começaram em 3 de outubro com o cientista sueco Svante Paabo recebendo o prêmio em Medicina por desvendar os segredos do DNA neandertal que forneceram informações importantes sobre nosso sistema imunológico. Três cientistas ganharam conjuntamente o prêmio em Física na terça-feira, 4. O francês Alain Aspect, o americano John F. Clauser e o austríaco Anton Zeilinger mostraram que partículas minúsculas podem manter uma conexão umas com as outras mesmo quando separadas, um fenômeno conhecido como emaranhamento quântico, que pode ser usado para computação especializada e para criptografar informações.

O Prêmio Nobel de Química foi concedido na última quarta-feira, 5, aos americanos Carolyn R. Bertozzi e K. Barry Sharpless, e ao cientista dinamarquês Morten Meldal por desenvolverem uma maneira de "juntar moléculas" que pode ser usada para explorar células, mapear DNA e projetar drogas que pode visar doenças como o câncer com mais precisão.

A escritora francesa Annie Ernaux ganhou o Prêmio Nobel de literatura quinta-feira, 6. O painel a elogiou por misturar ficção e autobiografia em livros que exploram sem medo suas experiências como uma mulher da classe trabalhadora na França desde a década de 1940.

Já o Prêmio Nobel da Paz foi para o ativista de direitos humanos da Bielorrússia Ales Bialiatski, o grupo russo Memorial e a organização ucraniana Centro pelas Liberdades Civis, na sexta-feira, 7.

Confira abaixo os dez últimos vencedores do Prêmio Nobel de Economia:

- 2022: Ben Bernanke, Douglas Diamond e Philip Dybvig (Estados Unidos) por suas contribuições para explicar as crises financeiras e o papel dos bancos na economia.

- 2021: David Card (Canadá), Joshua Angrist (Estados Unidos) e Guido Imbens (EUA-Holanda), por "contribuírem com novas ideias sobre o mercado de trabalho e mostrarem quais conclusões podem ser tiradas de experiências naturais em termos de causas e consequências".

- 2020: Paul Milgrom e Robert Wilson (Estados Unidos), por terem "melhorado a teoria de leilões e terem inventado novos formatos de leilões" em "benefício de vendedores, compradores e contribuintes do mundo inteiro".

- 2019: Esther Duflo (França/Estados Unidos), Abhijit Banerjee (Estados Unidos) e Michael Kremer (Estados Unidos), por seus trabalhos sobre a redução da pobreza no mundo.

- 2018: William Nordhaus e Paul Romer (Estados Unidos), por seus modelos sobre o impacto da atividade econômica no clima.

- 2017: Richard H. Thaler (Estados Unidos), por seus estudos sobre os mecanismos psicológicos e sociais que influenciam as decisões de consumidores e investidores.

- 2016: Oliver Hart (Reino Unido/EUA) e Bengt Holmström (Finlândia), teóricos do contrato.

- 2015: Angus Deaton (Reino Unido/Estados Unidos), "por sua análise de consumo, pobreza e bem-estar".

- 2014: Jean Tirole (França), por seu trabalho sobre "o poder do mercado e a regulação".

- 2013: Eugene Fama, Lars Peter Hansen e Robert Shiller (Estados Unidos), por seus estudos sobre os mercados financeiros.

(Com AFP e Estadão Conteúdo).