Acompanhe:

Projeção de alta do PIB de 2022 segue em 2,70%, aponta Focus

Já a estimativa para a expansão do PIB em 2023 cresceu de 0,53% para 0,54%, ante 0,50% um mês antes

Modo escuro

Continua após a publicidade
Economia: Banco Central divulgou o Relatório de Mercado Focus na manhã desta segunda-feira, 10. (Getty/Getty Images)

Economia: Banco Central divulgou o Relatório de Mercado Focus na manhã desta segunda-feira, 10. (Getty/Getty Images)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 10 de outubro de 2022 às, 09h49.

O Boletim Focus divulgado na manhã desta segunda-feira, 10, mostrou uma interrupção no processo de melhora das estimativas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2022 após 14 semanas de evolução positiva. A projeção para a alta do PIB em 2022 continuou em 2,70%, contra 2,39% há um mês. Já a estimativa para a expansão do PIB em 2023 cresceu de 0,53% para 0,54%, ante 0,50% um mês antes.

Considerando apenas as 29 respostas nos últimos cinco dias úteis a estimativa para o PIB no fim de 2022 cedeu de 2,75% para 2 70%. No caso de 2023, houve 29 atualizações nos últimos cinco dias úteis, com variação da mediana de 0,70% para 0,53%.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso.

O Relatório Focus ainda mostrou manutenção na projeção para o crescimento do PIB em 2024, em 1,70%. Para 2025, a mediana foi mantida em 2,00%. Quatro semanas atrás, as taxas eram de 1,80% e 2,00%, respectivamente.

O Focus mostrou também nesta segunda-feira mudança marginal para o prognóstico da relação entre resultado primário e o PIB deste ano, com o superávit subindo de 0,90% para 0,91%. Há um mês, o porcentual previsto era de 0,50% do PIB. Já a relação entre déficit nominal e PIB em 2022 continuou em 6,40%, contra 6,75% de um mês atrás.

O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Já o resultado nominal reflete o saldo já após as despesas com juros.

O relatório ainda trouxe manutenção em 58,40% na projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2022. Era 59,00% um mês atrás.

Em relação a 2023, a estimativa para a dívida líquida em relação ao PIB continuou em 63,23%, de 63,05% há um mês. A mediana para o déficit primário também seguiu em 0,50% do PIB e, para o rombo nominal, permaneceu em 7,70% do PIB. Os porcentuais eram os mesmos há quatro semanas.

Balança comercial

Os economistas do mercado financeiro reduziram a estimativa de superávit da balança comercial em 2022 de US$ 61,50 bilhões para US$ 60,00 bilhões, ante US$ 66,92 bilhões de um mês atrás, segundo a pesquisa Focus. Para 2023, a projeção continuou em US$ 60,00 bilhões, mesmo valor esperado há quatro semanas.

No caso da projeção de déficit em conta corrente do balanço de pagamentos em 2022, a mediana passou de US$ 31,00 bilhões para US$ 30,30 bilhões, contra US$ 25,00 bilhões de um mês atrás. Em 2023, a projeção para o rombo em transações correntes variou de US$ 31,45 bilhões para US$ 33,40 bilhões. Há um mês, a expectativa era deficitária em US$ 30,60 bilhões.

Para os analistas consultados semanalmente pelo BC, o ingresso de Investimento Direto no País (IDP) será suficiente para cobrir o rombo em transações correntes nesses anos. A mediana das previsões para o IDP em 2022 permaneceu em US$ 65,00 bilhões, ante US$ 60,00 bilhões de um mês atrás. Para 2023, continuou em US$ 65,00 bilhões, de US$ 66,00 bilhões há quatro semanas.

IPCA

O Relatório de Mercado Focus divulgado na manhã desta segunda-feira, 10, mostrou a 15ª redução da mediana para a alta do IPCA - índice de inflação oficial - deste ano, de 5,74% para 5,71%. A projeção para 2023 foi mantida em 5,00% pela segunda semana seguida, enquanto, para 2024, a estimativa cedeu de 3,50% para 3,47%. Há um mês, as medianas eram de 6,40%, 5,17% e 3,47%, nessa ordem.

Atualmente, o horizonte relevante da política monetária considera os anos de 2023 e, em menor grau, de 2024, mas, devido às incertezas sobre a política de desoneração tributária sobre os combustíveis, o Banco Central tem dado ênfase ao horizonte de 12 meses até o primeiro trimestre de 2024. Como o horizonte é móvel, cada vez mais, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC vai olhar para a inflação em 2024 para tomar suas decisões.

Neste momento, apesar da redução recente, as medianas na Focus para a inflação oficial continuam a apontar para três anos de descumprimento da meta, de 2021 a 2023. Para 2024, a projeção do mercado está acima do alvo central de 3,00%, mas dentro do limite superior, que é de 4,50%. A meta para 2022 é de 3,50%, com tolerância superior de até 5,00%, enquanto, para 2023, a meta é de 3,25%, com banda até 4,75%.

Na Focus, a previsão para 2025 permaneceu em 3,00%, porcentual igual ao de 65 semanas atrás. A meta para o ano é de 3,00%, com intervalo de 1,5% a 4,5%.

Considerando somente as 49 estimativas atualizadas nos últimos 5 dias úteis, a mediana para 2022 passou de 5,65% para 5,63%. Para 2023, variou de 4,98% para 5,00%.

No Copom de setembro, o BC atualizou suas projeções para a inflação com estimativas de 5,8% em 2022, 4,6 % em 2023 e 2,8% para 2024. O colegiado manteve a Selic em 13,75% ao ano, decretando o fim de seu mais longo ciclo de alta de juros.

Dólar

O cenário da moeda norte-americana em 2022 e 2023 completou a 11ª semana seguida sem alterações no Relatório de Mercado Focus, divulgado pelo Banco Central (BC). A estimativa para o câmbio este ano continuou em R$ 5,20 nesta segunda-feira, 10, mesmo valor de um mês antes. Para 2023, também permaneceu em R$ 5,20, repetindo a estimativa de quatro semanas atrás. A projeção anual de câmbio publicada no Focus é calculada com base na média para a taxa no mês de dezembro, e não mais no valor projetado para o último dia útil de cada ano, como era até 2020. Com isso, o BC espera trazer maior precisão para as projeções cambiais do mercado financeiro.

Selic

O mercado financeiro continuou a projetar, no Boletim Focus, que a taxa Selic deve terminar este ano em 13,75% e 2023 em 11,25%, em linha com as sinalizações dadas pelo Banco Central (BC). Há um mês, os porcentuais previstos eram de 13,75% e 11,25%, respectivamente.

No Comitê de Política Monetária (Copom) de setembro, o BC manteve a taxa Selic em 13,75% ao ano, decretando o fim do mais longo ciclo de alta de juros da história do comitê. A autoridade monetária indicou a manutenção da Selic nesse patamar por "período suficientemente prolongado" para alcançar a convergência da inflação para a meta, mas alertou que, caso a desinflação não ocorra como o esperado, pode voltar a subir os juros.

Depois, os membros do Copom sinalizaram que o BC está confortável com o cenário que a Focus exibia para a Selic. "Usando a curva do Focus com corte em junho, mostramos que a gente atinge nossos objetivos", disse o presidente do BC, Roberto Campos Neto, na coletiva do Relatório Trimestral de Inflação (RTI), em referência à convergência para a meta em 2024.

Campos Neto evitou, porém, dizer quão "suficientemente prolongada" deve ser a manutenção da Selic em níveis elevados para se que chegue às metas de inflação. "Deixamos claro que existem riscos para as projeções, que estamos vigilantes e que podemos inclusive voltar a subir os juros", destacou.

Atualmente, o foco de atuação da política monetária para colocar a inflação na meta considera os anos de 2023 e, em menor grau, de 2024. Mas com os ruídos derivados das desonerações tributárias sobre os combustíveis e a incerteza sobre a duração da medida, o BC prefere dar ênfase na projeção de inflação para o ano encerrado no primeiro trimestre de 2024. Como o horizonte de atuação é móvel, cada vez mais, o BC vai focar no ano de 2024.

Considerando apenas as 38 respostas nos últimos cinco dias úteis a expectativa para o juro básico no fim deste ano também seguiu em 13,75%. Para o término de 2023, as 38 revisões feitas nos últimos cinco dias úteis não alteraram a mediana de 11,25%.

Conforme o Boletim Focus, a previsão para a Selic no fim de 2024 continuou em 8,00%, mesmo porcentual de um mês atrás. Já a mediana para o fim de 2025 permaneceu em 7,75%, de 7,50% quatro semanas antes.

Últimas Notícias

Ver mais
Haddad afirma que FMI terá de ‘rever para melhor’ projeção de crescimento do Brasil
Brasil

Haddad afirma que FMI terá de ‘rever para melhor’ projeção de crescimento do Brasil

Há 19 horas

Banco Central revela que Drex 'empacou' em soluções de privacidade e não tem prazo para ser lançado
Future of Money

Banco Central revela que Drex 'empacou' em soluções de privacidade e não tem prazo para ser lançado

Há 21 horas

Dólar hoje: moeda fechou em alta a R$ 5,27
seloMercados

Dólar hoje: moeda fechou em alta a R$ 5,27

Há 23 horas

Valores a Receber: BC anuncia mudanças para sacar acima de R$ 100 no programa 'dinheiro esquecido'
seloMinhas Finanças

Valores a Receber: BC anuncia mudanças para sacar acima de R$ 100 no programa 'dinheiro esquecido'

Há 23 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais