Petrobras anuncia redução de preço da gasolina em R$ 0,25, a 4ª desde julho

É a quarta vez que a Petrobras anuncia um corte no preço da gasolina desde julho. Novo valor passa a valer nas refinarias na sexta-feira, 2
Refinaria da Petrobras: estatal ganhou espaço para cortar gasolina após quedas na cotação do petróleo (Paulo Whitaker/Reuters)
Refinaria da Petrobras: estatal ganhou espaço para cortar gasolina após quedas na cotação do petróleo (Paulo Whitaker/Reuters)
C
Carolina Riveira

Publicado em 01/09/2022 às 10:11.

Última atualização em 01/09/2022 às 10:47.

A Petrobras anunciou nesta quinta-feira, 1º de setembro, que vai reduzir em R$ 0,25 o preço da gasolina às distribuidoras.

O preço por litro nas refinarias da estatal passará de R$ 3,53 para R$ 3,28, uma redução de 7%. O novo valor passa a valer a partir desta sexta-feira, 2.

Vá além do básico. Assine a EXAME e tenha acesso ilimitado às principais notícias e análises.

O preço final ao consumidor não é o mesmo das refinarias. O valor na bomba inclui ainda preços da cadeia de produção e tributos, e pode variar nas localidades. O preço médio nacional da gasolina fechou a semana passada perto de R$ 5,25 nos postos, segundo a Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis.

VEJA TAMBÉM: PIB do Brasil cresce 1,2% no 2º trimestre, com destaque para serviços e indústria, diz IBGE

É a quarta vez que a Petrobras anuncia um corte no preço da gasolina desde 20 de julho.

Os preços da estatal tem sido beneficiados pela queda na cotação do petróleo no mercado internacional, após o insumo ter chegado a seu pico no início da guerra na Ucrânia e com os temores de recessão global derrubando o preço.

Em nota, a Petrobras afirmou que "acompanha a evolução dos preços internacionais de referência" e que a redução "é coerente com a prática de preços da Petrobras, que busca o equilíbrio dos seus preços com o mercado global."

Na mesma movimentação, a estatal também reduziu duas vezes o preço do diesel nas últimas semanas.

Após ter encostado em quase US$ 130 neste ano com a guerra na Ucrânia, o preço do barril do tipo Brent (usado como referência pela Petrobras) teve quedas consistentes a partir de junho.

O Brent caiu para baixo do patamar de US$ 100 e era cotado abaixo de US$ 95 na manhã desta quinta-feira.

VEJA TAMBÉM: Brasil tem deflação de -0,73% na prévia de agosto e acumulado vai a 9,6%

Nos meses anteriores, em movimento contrário, a Petrobras vinha aumentado o preço da gasolina em suas refinarias, quando o petróleo estava em alta no mercado internacional. Os cortes da gasolina em julho foram os primeiros feitos pela petroleira desde dezembro.

Quanto cairá a gasolina nos postos

A Petrobras afirma que, como 27% do litro de gasolina comercializada é composto por etanol anidro, a fatia da Petrobras no total do litro da gasolina cairá de R$ 2,39 para R$ 2,57, em média.

Assim, a redução na prática seria de ao menos R$ 0,18 no litro ao consumidor.

Mas os preços finais podem variar nos diferentes postos e localidades. O restante do preço final na bomba diz respeito ao preço do etanol anidro, tributos e cadeia de distribuição.

Antes do corte da Petrobras, o preço médio da gasolina vendida nos postos no Brasil, na semana encerrada em 27 de agosto, ficou em R$ 5,25.

VEJA TAMBÉM: Os piores investimentos de agosto: fundos de renda fixa estão na lista

Os valores são medidos semanalmente pela Agência Nacional de Petróleo e Biocombustíveis (ANP), em levantamento em mais de 5,5 mil postos nacionalmente.

Além disso, a redução no preço da gasolina da Petrobras diz respeito somente ao combustível nas refinarias da estatal, que respondem por cerca de 80% da gasolina vendida no Brasil. O restante é vendido por importadores ou refinarias privatizadas, já a preços de mercado.

VEJA TAMBÉM: Proteção de dados: às vésperas da eleição, partidos correm para cumprir LGPD