Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

A inflação no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), principal índice inflacionário brasileiro, fechou o mês de abril com alta de 0,61%, desacelerando após a alta de 0,71% em março. O resultado foi divulgado nesta sexta-feira, 12, pelo IBGE. A inflação acumulada em 12 meses segue em seu menor patamar em mais de dois anos, desde outubro de 2020.

Inflação acumulada em 12 meses

  • A inflação acumulada em 12 meses até abril ficou em 4,18%, desacelerando frente aos 4,65% no acumulado até março;
  • A inflação acumulada no ano, de janeiro a abril, ficou em 2,72%.

O resultado veio levemente acima das expectativas do mercado, que apostava em alta de 0,54% no IPCA de abril.

Todos os nove grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta. Os principais destaques foram as altas em planos de saúde e produtos farmacêuticos, além dos alimentos, que voltaram a subir após meses de desaceleração. Já a gasolina, que havia tido alta em março com a reoneração de impostos federais, teve queda de preço em abril.

Alta nos medicamentos e planos de saúde

Ao contrário dos meses anteriores, quando o maior impacto havia sido do grupo "Transportes" devido à alta na gasolina, o grupo "Saúde e cuidados pessoais" foi o principal destaque de abril.

O grupo teve o maior impacto no índice (0,19 p.p.) e a maior variação (1,49%), puxado pela alta autorizada no preço dos medicamentos.

No IPCA de abril, os produtos farmacêuticos subiram 3,55%.

“O resultado nesse grupo foi influenciado pela alta nos produtos farmacêuticos, justificada pela autorização do reajuste de até 5,60% no preços nos medicamentos, a partir de 31 de março”, disse em nota o analista da pesquisa no IBGE, André Almeida.

No mesmo grupo, o preço dos planos de saúde também subiu 1,20% no mês, após ter apresentado altas sequenciais nos meses anteriores. "Houve incorporação das frações mensais dos reajustes dos planos novos e antigos para o ciclo de 2022 a 2023”, disse Almeida.

Preço da gasolina cai

O grupo "Transportes", que inclui combustíveis e vinha liderando as altas nos últimos meses, desacelerou em abril. O grupo teve alta de 0,56% (após alta de 2,11% em março), contribuindo com 0,12 p.p. para IPCA de abril.

O preço dos combustíveis caiu 0,44% em abril, após ter tido alta de 7% em março.

  • O preço da gasolina caiu 0,52%;
  • O óleo diesel caiu 2,25%;
  • O gás veicular caiu 0,83%;
  • O etanol foi na contramão e subiu 0,92%;
  • Já as passagens aéreas subiram 11,97%, após queda de 5,32% em março.

Posto de gasolina (foto de arquivo): combustíveis tiveram queda de preço em abril

Preço dos alimentos volta a subir

O grupo "Alimentação e bebidas" teve alta de 0,71% no mês, interrompendo a desaceleração nos períodos anteriores.

A alimentação em domicílio saiu de -0,14% em março para alta de 0,73% em abril.

  • O tomate subiu 10,64%;
  • O leite longa vida subiu 4,96%;
  • O queijo subiu 1,97%;
  • A cebola caiu 7,01%;
  • O óleo de soja caiu 4,44%.

A alimentação fora do domicílio ficou praticamente estável em relação ao mês anterior, subindo 0,66%, após alta de 0,60% em março.

Menor inflação desde outubro de 2020

No todo, o acumulado em 12 meses de 4,18% em abril representa o menor patamar da inflação brasileira desde outubro de 2020, quando o acumulado havia ficado em 3,92% (veja no gráfico abaixo).

No ano, a expectativa dos agentes de mercado é que a inflação ainda volte a subir em alguma medida e feche 2023 em 6,02%, segundo a última edição do boletim Focus.

INPC tem alta de 0,53%

O INPC, índice medido pelo IBGE que abrange famílias mais pobres, teve alta de 0,53% em abril, pouco abaixo do IPCA e acima do registrado em março (0,64%). Em 12 meses, o INPC acumula alta de 3,83%, também em desaceleração.

O INPC mede as variações na cesta de famílias de 1 a 5 salários mínimos nas principais regiões metropolitanas.

Inflação: inflação brasileira está em 4,18% no acumulado em 12 meses até abril


RESUMO: Quanto está a inflação no Brasil?

  • A inflação brasileira está em 4,18%, no acumulado de 12 meses até abril;
  • A inflação teve alta de 0,61% no mês de abril.

Os dados são os últimos divulgados no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), do IBGE. A inflação fechada de cada mês é sempre divulgada no início do mês seguinte.

Quanto será a inflação em 2023?

O consenso dos analistas é de inflação em 6,02% no ano de 2023, de acordo com a última edição do boletim Focus, publicada em 8 de maio. A projeção diz respeito às opiniões de analistas de mercado ouvidos pelo Banco Central semanalmente.

O que é IPCA acumulado?

Como em todos os índices inflacionários, o IPCA tem uma variação mensal, que diz respeito a quanto os preços dos produtos e serviços pesquisados subiram em um mês. Já o acumulado diz respeito à variação em um período maior.

O IPCA acumulado nos últimos 12 meses, por exemplo, é a soma das variações ao longo desse período. Já o IPCA acumulado só neste ano de 2023, por ora, é a inflação vista em janeiro, fevereiro e março.

Do que o IPCA é composto e como se mede a inflação?

O IPCA é calculado pelo IBGE com base em uma cesta de produtos e serviços que, por meio de pesquisas e outras informações, se sabe que um brasileiro típico consume. O IPCA, assim, tenta apontar "a variação do custo de vida médio de famílias com renda mensal de 1 e 40 salários mínimos", segundo o IBGE. O índice é dividido em nove grupos:

  • Alimentação e bebidas
  • Habitação
  • Artigos de residência
  • Vestuário
  • Transportes
  • Saúde e cuidados pessoais
  • Despesas pessoais
  • Educação
  • Comunicação

Cada grupo tem dezenas ou até centenas de itens cujos preços são monitorados para calcular o valor final do IPCA. Além disso, os itens têm pesos diferentes no cálculo do índice. As passagens aéreas, por exemplo, têm peso menor do que o transporte público, por serem usadas por uma fatia menor da população ou com menos frequência.

Por que se usa o IPCA para medir inflação?

O IPCA é somente um dos índices que medem a inflação. Há outros, com focos e pesos distintos. Para reajustar o aluguel, por exemplo, muitos locatários costumam usar o IGP-M (Índice Geral de Preços), que tem impacto maior de frentes como o dólar; já para obras, se usa o INCC (Índice Nacional de Custo da Construção), que confere maior peso aos custos dos materiais de construção.

O IPCA é o principal índice brasileiro por ser usado para mensurar a inflação em canais oficiais, como nas metas do governo e do Banco Central. O INPC, por sua vez, é usado para reajustar o salário mínimo, por dizer respeito a famílias com até cinco salários mínimos.

Créditos

Últimas Notícias

ver mais
Governo estima déficit fiscal de R$ 141,4 bi em 2023 e anuncia bloqueio de R$ 588 mi do Orçamento
Economia

Governo estima déficit fiscal de R$ 141,4 bi em 2023 e anuncia bloqueio de R$ 588 mi do Orçamento

Há um dia
Assembleia da Vale elege Dario Durigan como novo membro do Conselho Fiscal
Economia

Assembleia da Vale elege Dario Durigan como novo membro do Conselho Fiscal

Há um dia
Na China, Xangai e Pequim anunciam relaxamento de regras para investimento estrangeiro direto
Economia

Na China, Xangai e Pequim anunciam relaxamento de regras para investimento estrangeiro direto

Há um dia
Mercado Livre e Shopee recebem aval para isenção de imposto em compras internacionais de até US$ 50
Economia

Mercado Livre e Shopee recebem aval para isenção de imposto em compras internacionais de até US$ 50

Há um dia
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais