Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

IGPs devem acelerar até dezembro, diz Quadros

Segundo superintendente da FGV, há mais fatores de aceleração do que de alívio

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Consumidor abastece uma moto em um posto: próximos IGPs devem trazer o reajuste dos combustíveis
 (Ueslei Marcelino/Reuters)

Consumidor abastece uma moto em um posto: próximos IGPs devem trazer o reajuste dos combustíveis (Ueslei Marcelino/Reuters)

I
Idiana Tomazelli

Publicado em 17 de novembro de 2014 às, 12h49.

Rio - A inflação medida pelos Índices Gerais de Preços deve continuar ganhando força até o início do próximo mês, disse nesta segunda-feira, 17, o superintendente adjunto de inflação da Fundação Getulio Vargas (FGV), Salomão Quadros.

Segundo ele, há mais fatores de aceleração do que de alívio. Hoje, a instituição anunciou que o IGP-10 subiu 0,82%, após avanço de 0,02% em outubro. "A tendência dos IGPs até o início de dezembro é de aceleração", disse Quadros.

Como fatores de pressão, os próximos IGPs devem trazer o reajuste dos combustíveis (em vigor desde 7 de novembro), o aumento nas tarifas de energia elétrica residencial da Light, no Rio (também a partir de 7 de novembro) e o dissídio da construção civil em Recife.

O retorno das chuvas a locais onde a estiagem provocou incertezas em relação à próxima safra, porém, deve trazer acomodação nos preços de alimentos, que ganharam força este mês.

"Até agora, o efeito dos combustíveis foi pequeno. Ele vai aparecer quase que por inteiro no IGP-DI (que vai captar preços desde 1º a 31 de novembro)", afirmou o superintendente.

No índice anunciado nesta segunda-feira, 17, o diesel subiu 0,65%, enquanto a gasolina ficou 0,39% mais cara no atacado. No varejo, a gasolina subiu 0,11%.

Na refinaria, os reajustes autorizados pela Petrobras foram de 3% na gasolina e 5% no diesel. "Esse efeito ainda vai aparecer e será fator de aceleração no IPA, aparecendo ao longo do mês de novembro", acrescentou Quadros.

Além disso, os próximos IGPs ainda devem contabilizar os efeitos do reajuste na tarifa de energia elétrica residencial da Light, no Rio.

No IGP-10, o item subiu 0,84%, mas a tendência é que os indicadores passem a sofrer impacto maior do reajuste de 19,11% concedido à distribuidora pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Últimas Notícias

Ver mais
Lula sobre Mercosul-UE: 'Se não tem acordo, vai ficar patenteado de quem é a culpa’

Economia

Lula sobre Mercosul-UE: 'Se não tem acordo, vai ficar patenteado de quem é a culpa’

Há 10 horas

Preço da gasolina tem 1ª alta nos postos desde o final de agosto, diz ANP

Economia

Preço da gasolina tem 1ª alta nos postos desde o final de agosto, diz ANP

Há um dia

Na COP-28, Haddad diz que 'plano verde' exigirá pelo menos US$ 130 bi

Economia

Na COP-28, Haddad diz que 'plano verde' exigirá pelo menos US$ 130 bi

Há um dia

Hidrogênio verde e eólica offshore: Câmara aprovou parte da pauta verde. O que muda?

Economia

Hidrogênio verde e eólica offshore: Câmara aprovou parte da pauta verde. O que muda?

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Com copos de plástico reciclado coletado no litoral brasileiro, Corona estreia no Primavera Sound

Com copos de plástico reciclado coletado no litoral brasileiro, Corona estreia no Primavera Sound

Com itens personalizados, Tramontina usa expertise para aproveitar alta dos presentes de fim de ano

Com itens personalizados, Tramontina usa expertise para aproveitar alta dos presentes de fim de ano

Suvinil investe para criar embalagens e produtos mais sustentáveis

Suvinil investe para criar embalagens e produtos mais sustentáveis

Inovação em nuvem e IA: a aposta da Huawei Cloud para o Brasil

Inovação em nuvem e IA: a aposta da Huawei Cloud para o Brasil

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais