China e União Europeia intensificam duelo comercial

Esses dois importantes atores do comércio mundial têm vários contenciosos e cada um enfrenta dificuldades econômicas, acompanhada de enfraquecimento da balança

A União Europeia (UE) estuda taxar os painéis solares chineses e Pequim responde com uma investigação sobre os tubos sem solda europeus, em iniciativas que não deram um respiro ao novo diretor da Organização Mundial de Comércio (OMC), o brasileiro Roberto Azevêdo.

A resposta da China veio na sexta-feira, após a proposta da Comissão Europeia na quarta-feira de taxar, em média 47%, os painéis solares chineses importados, para proteger as empresas europeias do setor.

Pequim anunciou uma investigação antidumping sobre "alguns tubos sem solda utilizados em altas temperaturas e alta pressão, importados da União Europeia, do Japão e dos Estados Unidos", segundo o Ministério chinês de Comércio.

Em uma entrevista publicada nesta segunda-feira pelo jornal britânico Financial Times, o presidente da Arcelor Mittal, Lakshmi Mittal, se juntou ao debate ao pedir abertamente à UE para adotar medidas protecionistas aos produtos de aço, similares às dos painéis solares.

"Deveriam aumentar as tarifas de importação ou deveria haver uma sobretaxa sobre o aço importado pela Europa de países com padrões ambientais muito baixos", disse.

Na quinta-feira, a agência de imprensa oficial Nova China (Xinhua) alertou a União Europeia sobre a possibilidade de represálias após a iniciativa sobre os painéis solares.

"A ideia de que a China não vá reagir e aceite esses impostos de braços cruzados simplesmente não é realista", escreveu a Nova China.

Esses dois importantes atores do comércio mundial têm vários contenciosos e cada um enfrenta dificuldades econômicas, recessão na Europa e desaceleração econômica na China, acompanhada de um enfraquecimento da balança comercial.


As duas entidades se opõem ao que é feito pelo mercado chinês, a defesa dos direitos de propriedade intelectual ou os impostos na Europa à contaminação provocada pelas companhias aéreas.

Um exemplo dessas complexas relações é que a UE quer iniciar negociações de livre comércio com os Estados Unidos, Canadá e Japão, mas não tem pressa para fazer o mesmo com a China e prefere avançar em um projeto de tratado bilateral de investimentos.

O anúncio de Pequim na sexta-feira provocou uma queda da cotação da ação de um grupo francês de tubos sem soldas, Vallourec, mas este quis acalmar os ânimos e afirmou que menos de 1% de seu volume de negócios seria afetado.

Estas manobras protecionistas são o presente de boas-vindas ao novo diretor geral da OMC, o brasileiro Azevêdo, que tentará destravar as negociações de liberalização do comércio mundial que se encontram em ponto morto.

Azevêdo, escolhido na quarta-feira passada, será formalmente nomeado esta semana e assumirá o cargo no dia 1º de setembro.

A escolha de um representante dos países emergentes para dirigir esta instituição, marcada por grandes antagonismos, oferece alguma esperança.

"A OMC é capaz de se ajustar, de se transformar em função das grandes evoluções da economia mundial, entre os quais essa grande virada que vimos nos últimos anos e que a crise acelerou, entre os países avançados como a Europa ou os Estados Unidos e os países emergentes", disse na quarta-feira o atual diretor da OMC, o francês Pascal Lamy.

Contudo, isso não deve alterar a relação entre os dois blocos. "Seria ir um pouco longe demais porque, como seus predecessores, o diretor da OMC deve ser neutro", disse.

Segundo a Nova China, "ninguém deve ignorar que os esforços de Azevêdo para retomar as negociações comerciais e lutar contra as medidas protecionistas nocivas não poderão ter sucesso se as potências econômicas mundiais não se unirem e resolverem suas diferenças".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também