Brasil pode ser um dos países com retomada mais complicada, diz estudo

Entre os problemas apontados pelo estudo está a capacidade de o Brasil direcionar os recursos para quem precisa durante a retomada

Um estudo divulgado pela rede americana CNBC aponta que o Brasil é um dos países do G20 (grupo das maiores economias do mundo) que terá a recuperação econômica mais complicada após a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. O mesmo vale para Índia e África do Sul.

A pesquisa Recovery Capacity Index, feita pela consultoria Verisk Maplecroft, analisou uma dúzia de fatores e indicou que problemas de governança, instituições enfraquecidas e protestos sociais constantes podem comprometer a capacidade de esses três países se recuperar. Como resultado, todos devem encolher em torno de 7% neste ano.

Além dos problemas sociais, Brasil, Índia e África do Sul estão entre os cinco países mais afetados pelo coronavírus em números de casos oficiais.

“Brasil, Índia e África do Sul, todos esses países apresentam risco ‘elevado’ de corrupção, segundo nossos dados”, diz David Wille, da Maplecroft em uma fala ao site da CNBC. “Já Rússia, México e Indonésia estão próximos do risco ‘extremo'”, acrescentou.

“Corrupção, governos instáveis e/ou pouco efetivos limitam a habilidade de direcionar o orçamento para aqueles que mais precisam, aumentando os riscos de não conseguir reviver a economia mesmo depois do fim da atual crise”, completou.

Outro problema apontado pelo estudo é que esses três países combinam um alto nível de pobreza com baixo capital humano.

Além disso, o Brasil foi apontado como país de “médio” risco em “conectividade”, o que a Maplecroft considerou como o distanciamento físico entre uma pessoa e a rede digital do país. A África do Sul está no mesmo patamar que o Brasil, enquanto na Índia o risco foi considerado alto.

Os pesquisadores também apontaram que a instabilidade política e a sequência de protestos contra o governo também podem ser desafios para os três países na hora de retomar a economia. Segundo o estudo, o Brasil é um dos países com maior riscos de ter manifestações populares que desestabilizem o cenário atual nos próximos seis meses.

“Esses fatores vão exacerbar problemas sócio-econômicos pré-existentes, aumentando o desemprego e a insatisfação às respostas do governo à pandemia. Isso cria níveis muito altos de incerteza para os investidores, e protestos em larga escala têm potencial de impedir mesmo as economias mais consolidadas de se recuperar”, explicou Willie.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.