Economia

Brasil está "flertando com o abismo" na dívida, diz BofA

"Um pequeno descuido pode fazer ela entrar em uma espiral", diz relatório que prevê aumento da dívida bruta de 66% do PIB em 2015 para 85%-90% do PIB em 2018

Corda representando risco (Thinkstock/BrianAJackson)

Corda representando risco (Thinkstock/BrianAJackson)

João Pedro Caleiro

João Pedro Caleiro

Publicado em 31 de março de 2016 às 12h51.

São Paulo - "O Brasil está flertando com o abismo em sua dívida pública e um pequeno descuido pode fazer ela entrar em uma espiral".

O alerta aparece em um relatório de mais de 100 páginas sobre o país compartilhado recentemente pelo Bank of America Merril Lynch.

"A dívida pública bruta continua a aumentar por causa dos desafios em conseguir que medidas fiscais sejam aprovadas pelo Congresso, receitas com desempenho abaixo do esperado em meio a recessão, falta de espaço para cortar gastos públicos e pagamentos crescentes de juros", diz o texto.

O setor público consolidado, formado pela União, estados e municípios, apresentou em fevereiro um déficit primário de R$ 23 bilhões, divulgou ontem o Banco Central. É o pior resultado para o mês na série histórica iniciada em dezembro de 2001.

O resultado do governo central foi um déficit de R$ 25 bilhões, recorde negativo para fevereiro desde 1997.

"Só um toque de dívida pública a mais do que o esperado pode levar à dominância da dívída e riscos inflacionários", diz o BofA. 

A situação de dominância ocorre quando o Estado já não consegue gerar receita para financiar seus gastos e precisa imprimir moeda para isso, neutralizando a ação da política monetária.

Nesse caso, uma alta dos juros pode até piorar o risco de inflação, algo que alguns economistas acreditam que já esteja acontecendo por aqui. 

Perfil e trajetória

Na semana passada, o governo mandou para o Congresso um projeto de lei que reduz a meta fiscal de 2016 para R$ 2,8 bilhões e permite abatimentos que, na prática, podem levar a um déficit de R$ 96,65 bilhões.

Seria o terceiro ano seguido de déficit. A previsão do BofA Merril Lynch é que os resultados fiscais negativos sucessivos levem a dívida pública de 66% do PIB em 2015 para 85%-90% do PIB até 2018. 

Este número aumenta em 12 pontos caso estatais tenham que ser resgatadas financeiramente pelo caminho, o que parece muito improvável por enquanto. 

O perfil da dívida é considerado de "alta qualidade" graças aos US$ 370 bilhões em reservas internacionais e a denominação em reais e não dólares.

Segundo o banco, o mercado estaria precificando uma possibilidade mais alta do que a real de calote.

Recentemente, o Goldman Sachs deu previsões parecidas, mas disse que o país "está em uma trajetória que eventualmente levaria à insolvência fiscal no médio prazo."

Acompanhe tudo sobre:Ajuste fiscalCrise econômicaDívida públicaPolítica fiscal

Mais de Economia

Novos dados aumentam confiança do Fed em desaceleração da inflação, diz Powell

Lula pede solução de contradições de europeus para acordo com Mercosul

Crescimento econômico da China desaponta e pressiona Xi Jinping

Prévia do PIB: IBC-Br sobe 0,25% em maio, após estabilidade em abril

Mais na Exame