BC do Japão deve evitar rumores de fim de estímulo, diz documento

Segundo membros do conselho de política monetária, a melhor postura seria manter a atual política ultrafrouxa

Tóquio - As autoridades do banco central do Japão se focaram em como comunicar melhor suas intenções uma vez que o avanço da economia aumenta a atenção do mercado ao momento do fim da política monetária ultrafrouxa, mostrou um sumário de opiniões da reunião de política monetária de junho.

Embora os membros do conselho tenham destacado a necessidade de desencorajar os mercados a especular que uma retirada do estímulo está próxima, eles também mostraram pouco apetite por afrouxamento adicional apesar da inflação fraca.

Com a inflação distante da meta de 2 por cento e devendo levar tempo para acelerar, a melhor postura seria manter a atual política ultrafrouxa, disseram os membros do conselho segundo o sumário divulgado nesta segunda-feira.

"A meta de estabilidade de preços não pode ser alcançada facilmente dentro de um período curto. É crucial manter condições financeiras expansionistas e manter a economia crescendo o máximo possível", disse um dos membros.

"É necessário continuar com a atual política frouxa persistentemente e aguardar por um aumento estável da demanda e mais quedas na taxa de desemprego para levar a salários, inflação e preços mais altos", disse outro membro.

Tais declarações estão alinhadas com a visão dominante no mercado de que o Banco do Japão irá manter uma postura de política neutra, nem elevando nem reduzindo a taxa de juros por enquanto, na esperança de que a melhora da economia gradualmente eleve a inflação.

O banco central manteve a política monetária na reunião de junho e melhorou sua avaliação sobre o consumo privado pela primeira vez em seis meses, sinalizando sua confiança em uma recuperação que está ganhando força.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.