Bancos elevam para R$ 104 bi estimativa do déficit primário

Para 2017, a estimativa foi reduzida de R$ 1,377 trilhão para R$ 1,369 trilhão

Brasília - Instituições financeiras consultadas pelo Ministério da Fazenda esperam que o déficit primário do Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) termine este ano em R$ 104 bilhões ante os R$ 100,450 bilhões previstos anteriormente.

A projeção consta da quinta edição da pesquisa Prisma Fiscal, elaborada pela Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, com base em informações de 30 bancos.

O estudo foi divulgado hoje (19), em Brasília. Para 2017, a estimativa de déficit caiu de R$ 103,514 bilhões para R$ 92,080 bilhões.

A projeção para a arrecadação federal este ano diminuiu de R$ 1,278 trilhão para R$ 1,274 trilhão. Para 2017, a estimativa foi reduzida de R$ 1,377 trilhão para R$ 1,369 trilhão.

Para a receita líquida do Governo Central, a estimativa é que caia de R$ 1,093 trilhão este ano para R$ 1,090 trilhão e aumente de R$ 1,159 trilhão para R$ 1,166 trilhão em 2017.

Para as despesas, a expectativa é de elevação de R$ 1,194 trilhão para R$ 1,2 trilhão este ano, e caia de R$ 1,279 trilhão para R$ 1,266 trilhão no ano que vem.

A pesquisa apresenta também a projeção para a dívida bruta do Governo Central, que, na avaliação das instituições financeiras, deve passar de 74,35% do Produto Interno Bruto (PIB) para 74% este ano. Para 2017, a estimativa mudou de 80% para 79,68% do PIB, a soma de todas as riquezas produzidas pelo país.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.