Aneel volta a negar troca da data de reajuste da CEEE

Em 30 de setembro, a Aneel já havia indeferido o pedido da companhia para alterar a data do reajuste, atualmente em outubro, para fevereiro

Brasília - A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) voltou a negar a alteração da data do reajuste tarifário da CEEE, distribuidora que atende consumidores no Rio Grande do Sul.

Em 30 de setembro, a Aneel já havia indeferido o pedido da companhia para alterar a data do reajuste, atualmente em outubro, para fevereiro.

O diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, reiterou que o processo de reajuste tarifário da CEEE continua suspenso.

Segundo ele, a empresa alega que não pode ser considerada inadimplente com suas obrigações intrassetoriais, uma vez que as transferências de recursos do governo federal para a companhia estão atrasadas.

A CEEE afirma ainda que tem mais recursos a receber do governo do que a pagar.

Esses pagamentos são feitos por meio de um fundo setorial, a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).

"O fato de ser credora do fundo não permite esse encontro de contas", disse Rufino.

"Enquanto não se tornar adimplente com obrigações que a lei elenca como impedidoras do reajuste, ela não pode ter suas tarifas reajustadas", acrescentou.

Em 21 de outubro, a Aneel suspendeu o processo de reajuste tarifário da companhia devido a uma dívida de R$ 20 milhões da distribuidora com o governo federal.

Com isso, as tarifas de energia foram congeladas até que a empresa regularize a situação. Foi o único caso de inadimplência este ano entre 60 distribuidoras neste ano.

A CEEE deixou de pagar a despesa com a energia produzida pela Usina de Itaipu e com a CDE, que banca programas sociais e subsídios da conta de luz.

A legislação impede que o reajuste seja aprovado caso a empresa esteja inadimplente em suas "obrigações intrassetoriais".

A Aneel não divulgou o índice de reajuste a que a CEEE teria direito.

Quando regularizar a situação e pagar a dívida, a empresa terá o reajuste aprovado, mas sem efeito retroativo.

A empresa atende 1,6 milhão de unidades consumidoras em Porto Alegre e outros 71 municípios do Rio Grande do Sul.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também