Economia

Aneel volta a negar troca da data de reajuste da CEEE

Em 30 de setembro, a Aneel já havia indeferido o pedido da companhia para alterar a data do reajuste, atualmente em outubro, para fevereiro


	Energia elétrica: diretor-geral da Aneel reiterou que processo de reajuste tarifário da CEEE continua suspenso
 (Adriano Machado/Bloomberg)

Energia elétrica: diretor-geral da Aneel reiterou que processo de reajuste tarifário da CEEE continua suspenso (Adriano Machado/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 19 de novembro de 2014 às 15h46.

Brasília - A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) voltou a negar a alteração da data do reajuste tarifário da CEEE, distribuidora que atende consumidores no Rio Grande do Sul.

Em 30 de setembro, a Aneel já havia indeferido o pedido da companhia para alterar a data do reajuste, atualmente em outubro, para fevereiro.

O diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, reiterou que o processo de reajuste tarifário da CEEE continua suspenso.

Segundo ele, a empresa alega que não pode ser considerada inadimplente com suas obrigações intrassetoriais, uma vez que as transferências de recursos do governo federal para a companhia estão atrasadas.

A CEEE afirma ainda que tem mais recursos a receber do governo do que a pagar.

Esses pagamentos são feitos por meio de um fundo setorial, a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).

"O fato de ser credora do fundo não permite esse encontro de contas", disse Rufino.

"Enquanto não se tornar adimplente com obrigações que a lei elenca como impedidoras do reajuste, ela não pode ter suas tarifas reajustadas", acrescentou.

Em 21 de outubro, a Aneel suspendeu o processo de reajuste tarifário da companhia devido a uma dívida de R$ 20 milhões da distribuidora com o governo federal.

Com isso, as tarifas de energia foram congeladas até que a empresa regularize a situação. Foi o único caso de inadimplência este ano entre 60 distribuidoras neste ano.

A CEEE deixou de pagar a despesa com a energia produzida pela Usina de Itaipu e com a CDE, que banca programas sociais e subsídios da conta de luz.

A legislação impede que o reajuste seja aprovado caso a empresa esteja inadimplente em suas "obrigações intrassetoriais".

A Aneel não divulgou o índice de reajuste a que a CEEE teria direito.

Quando regularizar a situação e pagar a dívida, a empresa terá o reajuste aprovado, mas sem efeito retroativo.

A empresa atende 1,6 milhão de unidades consumidoras em Porto Alegre e outros 71 municípios do Rio Grande do Sul.

Acompanhe tudo sobre:AneelCEEEEmpresasEmpresas estataisEnergiaEnergia elétricaEstatais brasileirasServiçosTarifas

Mais de Economia

Haddad anuncia corte de R$ 15 bilhões no Orçamento de 2024 para cumprir arcabouço e meta fiscal

Fazenda mantém projeção do PIB de 2024 em 2,5%; expectativa para inflação sobe para 3,9%

Revisão de gastos não comprometerá programas sociais, garante Tebet

Mais na Exame