A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Alemanha pode perder 410 mil empregos com veículos elétricos

Em 2018, a indústria de veículos da Alemanha atingiu 834 mil postos de trabalho

Berlim — A mudança para veículos elétricos pode custar 410 mil empregos na Alemanha 2030, publicou o diário Handelsblatt nesta segunda-feira, citando fontes governamentais.

Apenas em motores e transmissões, cerca de 88 mil empregos estão em risco, afirmou o jornal, citando estudo da Plataforma Nacional para o Futuro da Mobilidade (NPM), um órgão de aconselhamento do governo alemão.

Os motores de carros elétricos usam menos componentes e precisam de menos manutenção que os modelos a combustão, o que pode gerar demissões, publicou o jornal citando a pesquisa.

Além disso, a produção de veículos será ainda mais automatizada e não será suficiente para manter o atual nível de emprego, afirmou o diário, citando o presidente do NPM, Henning Kagermann.

Em 2018, o emprego na indústria de veículos da Alemanha atingiu 834 mil postos de trabalho, o pico desde 1991. Como comparação, o Brasil, segundo a associação de montadoras Anfavea, empregou 125,6 mil pessoas, piso desde 2009.

A principal entidade do setor automotivo da Alemanha, a VDA, que afirmou em dezembro que mais postos de trabalho serão cortados em 2020 por causa da queda global nas vendas de veículos, disse que a previsão do NPM foi baseada em um "cenário extremo irrealista".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também